Simers lança campanha em defesa do Hospital Psiquiátrico São Pedro

Atento a tudo o que envolve o trabalho médico e a saúde, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) destaca a importância da atenção à saúde mental e, a partir desta quinta-feira (13), propõe uma reflexão sobre o tema, mobilizando a comunidade gaúcha para a valorização de uma das instituições históricas da especialidade de psiquiatria: o Hospital Psiquiátrico São Pedro (HPSP), localizado em Porto Alegre. O lançamento da campanha ocorre às 10h30min, durante reunião online, com a participação de entidades médicas e órgãos ligados à questão da saúde mental, representantes do governo do Estado, Assembleia Legislativa e Câmara Municipal.

Com o slogan “Queremos! Hospital São Pedro No Coração e na Mente”, a campanha quer mobilizar a sociedade em geral e o Poder Público para a necessidade de melhorias ao hospital, que é referência no tratamento de doentes psiquiátricos no Estado, tendo como diferencial o atendimento infantil. Nos seus 146 anos de história, o HPSP acolheu milhares de pacientes e é referência para 88 municípios gaúchos. Além disso, oferece leitos especializados, focados em segmentos específicos – além das crianças, também adolescentes e dependentes químicos. A manutenção do hospital envolve não só os pacientes, mas seus familiares, médicos e estudantes de Medicina. A instituição necessita de melhorias urgentes e da contratação de mais profissionais para o atendimento.

O Psiquiatra e Diretor de Interior do Simers, Fernando Uberti, afirma que o HPSP é emblemático na assistência psiquiátrica no Rio Grande do Sul e na formação de profissionais no Estado e em nível nacional. “O São Pedro tem cerca de 130 leitos e áreas especializadas para segmentos extremamente carentes de internação, como crianças e adolescentes. Além disso, conta com mais de 40 médicos residentes que, anualmente, se inserem no mercado de trabalho com um nível de qualificação extremo. O Hospital São Pedro é fundamental para a assistência em saúde mental, especialmente nesse momento de pandemia, quando houve aumento no número de transtornos psiquiátricos e uma maior demanda nessa área”, afirmou.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Simers