Projeto de dança “Atravessamentos – relações entre corpo e história” inicia suas atividades

Dança, poesia, teatro, músicas e ditaduras. Quatro linguagens artísticas e uma palavra de cunho político são o fio condutor do novo espetáculo que a bailarina Thais Pegoraro traz para o público. Propondo uma reflexão sobre momentos de entrave na vida de pessoas que viveram um cerceamento de suas liberdades de expressão, o projeto “Atravessamentos – relações entre corpo e história” traz uma leitura envolvendo um material de base como entrevistas, vídeos e o livro “A rosa do povo”, Carlos Drummond de Andrade.

Dança Urbana e Contemporânea e Teatro dão o tom da coreografia que falam sobre relações ocorridas em períodos de opressão, em ditaduras sociais de diversos tipos e aquelas presentes no dia dia, retratando o ontem, o hoje e o sempre de uma sociedade. “Com todas as pesquisas em mãos começamos os processos corporais, atravessamos informações, conseguimos encontrar laços entre diversas histórias e aos poucos fomos tornando-as nossas. Muitas improvisações, leituras e experimentações para se chegar a cada coreografia que traz um pedaço de todos os integrantes do grupo”, comenta Thais sobre o processo de construção do espetáculo.

Thais Pegoraro, Fernanda Rodrigues, Gabriela Bortolini, Fábio Soares de Jesus e Samuel Vier estarão em cena que, além de serem o rosto e o corpo do espetáculo, estarão acompanhados de uma trilha sonora com nomes como Chico Buarque e Os Mutantes, além de som mecânico com instrumental que ocorrerá ao vivo com um acordeon.

O projeto “Atravessamentos – relações entre corpo e história” iniciou seus ensaios ainda em Fevereiro de 2020, mas logo em seguida tudo foi fechado em função da pandemia de Covid-19. Nesse tempo de afastamento e isolamento social, o projeto precisou se adaptar. Os ensaios ocorreram de forma online até outubro de 2020 e “a partir daí conseguimos nos encontrar e começar os ensaios presencias, com todos os cuidados a partir das medidas de distanciamento controlado até março de 2021, que foi quando tudo voltou a fechar por um mês e nós continuamos de forma remota”, relata Thais.

Por causa da pandemia, o grupo todo ficou receoso com uma estreia, mesmo que a vacinação já estivesse em andamento. Então em maio de 2021, que foi quando tudo começou a reabrir novamente, foi feito um pedido oficial ao Conselho Municipal de Cultura, pedindo a adaptação do nosso projeto para o formato online.

Após a deliberação do Conselho, as três apresentações migraram para o formato de live no YouTube. O espetáculo irá contar com filmagens para a produção que ocorre no dia 18 de setembro de 2021 no Anfiteatro Ivo Antônio Da Rold da Fundação Casa das Artes. Para as apresentações será feita uma programação semanal que acontecerá na semana em que essas lives do espetáculo ocorrerão, com entrevistas e bate-papos que darão suporte a essas apresentações.

Thais convida a comunidade para as filmagens de uma apresentação do espetáculo: “quem se sentir a vontade para ir no dia 18, sábado, na Casa das Artes, pode comparecer, respeitando todas as regras sanitárias de distanciamento social e higienização, uma vez que estarão ocorrendo as gravações ao mesmo tempo. Seria uma ótima experiência para ver como funciona o processo de uma adaptação de um espetáculo presencial para o online”.

A passagem geral com luz e som e sem paradas será feita às 16 horas, então em torno das 15h50 será liberado o Anfiteatro para o público entrar e acompanhar. Lembrando a necessidade de seguir com todas as regras de distanciamento social, utilizar máscara, passar álcool gel que estará na entrada e não sentar ao lado de ninguém, manter sempre uma cadeira vazia de cada lado.

As três apresentações ainda não têm datas definidas para a exibição ao público e serão anunciadas em breve.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura
Fotos: Divulgação/Projeto “Atravessamentos – relações entre corpo e história”/Crédito das fotos: Fernanda Rodrigues

(RM)