Mais cinco casos de estelionatos são registrados na DPPA de Bento Gonçalves

Pelo menos cinco boletins de ocorrências de estelionato foram registradas na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Bento Gonçalves, nas últimas horas. Os crimes vão desde o não cumprimento de prazos de entregas de mercadorias, à transferências bancárias via PIX não autorizadas, e o velho golpe do perfil falso no WhatsApp.

O primeiro registro é ainda de dezembro de 2020, quando um homem de 45 anos, morador do Rio de Janeiro, realizou a compra de um lote de vinhos de um revendedor de Bento Gonçalves, no valor de quase R$ 8,5 mil. O prazo para entrega era de 60 dias, porém, passados cerca de nove meses, ainda não recebeu. Informa que o tempo todo manteve contato com o revendedor que responde suas mensagens mas não esclarece o porque da entrega ainda não ter sido realizada.

Já o segundo registro remete ainda ao mês de março, quando um homem de 32 anos, recebeu através de ligação telefônica e email, a cobrança de uma suposta empresa de publicidade no valor de pouco mais de R$ 4,7 mil, referentes a supostos serviços prestados pela mesma. Ocorre que o mesmo efetuou o pagamento e algum tempo depois a empresa retornou o contato cobrando outras supostas dívidas em atraso. A vítima não reconhecendo essas dívidas afirmou que não iria efetuar mais nenhum pagamento. Posterior, a empresa enviou uma notificação extrajudicial, porém a vítima, em contato com o Procon, verificou que se tratava de um golpe.

Outro caso ocorreu no início de julho, quando a vítima, um homem de 48 anos, realizou a compra de um monitor de computador LCD, pelo valor de R$ 236,33, através de um site de venda de eletrônicos, fazendo o pagamento via PIX. O prazo de entrega era de 20 dias, fato que até o momento não ocorreu. A vítima tentou contato com a empresa por diversas vezes, porém sem sucesso, sendo que o próprio site da empresa foi desativado.

Já no último dia 16, um homem de 55 anos, verificou em suas contas bancárias, transferências e PIX não autorizadas, que totalizaram quase R$ 20 mil. Segundo o registro o homem verificou duas transferências de R$ 4.997,00 e R$ 4.431,00 via PIX e TEV respectivamente, de sua conta poupança, e outras duas de R$ 4.999,99 e R$ 4.933,00 de sua conta jurídica. Em contato com o banco foi informado de que as transações teriam sido feitas através do aplicativo de celular, porém afirma não ter realizado as transações nem autorizado terceiros.

Já o último registro ocorreu na última quinta-feira, dia 23, quando uma mulher de 48 anos teve cerca de R$ 3 mil de prejuízo após ser vítima do golpe do falso perfil no aplicativo WhatsApp. Conforme registro alguém criou um perfil no aplicativo de conversas, utilizando a foto de seu sobrinho. Nesta semana o golpista se passando pelo familiar lhe pediu que fizesse duas transferências. A mulher realizou dois PIX nos valores de R$ 1.577,00 e R$ 1.400,00.

Central de Jornalismo / Unidade Móvel Difusora

(KPJ)