Em ação conjunta entre o IFRS e empresas, vinho é transformado em álcool 70% em Bento

Para ajudar a conter a disseminação do novo coronavírus, vinho está virando álcool 70% na capital brasileira da vitivinicultura. São em torno de 47 mil litros de vinho, oriundos da Vinícola-Escola do Campus Bento Gonçalves do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), e que foram considerados inaptos para consumo e comercialização.

A instituição vai doar o material que, em uma ação conjunta com empresas de diversos segmentos, chegará à Secretaria Municipal de Saúde de Bento Gonçalves como álcool líquido a ser utilizado para desinfecção de superfícies. Estima-se que seja possível produzir em torno de 7 mil litros de álcool. A demanda mais imediata da prefeitura municipal era por álcool líquido 70%, que então será o foco da produção.

A vinícola Casa Valduga realizará gratuitamente o processo de destilação do produto. Também participam da ação solidária as empresas Newsul S.A. Embalagens e Componentes, Zegla Indústria de Máquinas para Bebidas Ltda,  Gráfica São Roque Etiquetas Adesivas e Vinícola Aurora.

Com o álcool líquido doado, serão higienizadas superfícies e materiais nas 30 unidades de saúde do município e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), além de ambulâncias e automóveis utilizados para transportar equipes de servidores que trabalham na emergência em saúde pública. “O álcool líquido é fundamental para desinfecção, mas, devido à situação do país, novos pedidos de compra do material não têm previsão de entrega”, explica a coordenadora do Almoxarifado da Secretaria Municipal de Saúde de Bento Gonçalves, Morgana Calza.

Por isso, a doação é tão bem-vinda. Como a quantidade utilizada depende da evolução do número de casos no município, Morgana diz não ser possível estimar quanto tempo vai durar o álcool que começa a ser recebido. “Tínhamos um estoque de álcool para quatro meses, mas utilizamos quase tudo em duas semanas. Por isso, nossa demanda pelo álcool 70% era imediata”, comenta.

O diretor-geral do Campus Bento Gonçalves, Rodrigo Câmara Monteiro, e o reitor do IFRS, Júlio Xandro Heck, destacam o esforço coletivo para viabilizar a ação que proporcionou o destino mais nobre possível ao produto. Eles ressaltam o apoio das empresas, da Procuradoria Federal junto ao IFRS, dos técnicos que atuam na Vinícola-Escola, do Comitê de Acompanhamento e Prevenção ao Covid-19 do Campus e da Reitoria e dos demais servidores.Outros campi do IFRS também estão em diálogo constante com autoridades e especialistas de saúde locais para levantar demandas e estudar formas de auxiliar no momento atual. Diferentes parcerias começam a surgir.

Fonte: Assessoria IFRS