Bento: Carta do Mercado Formal de Trabalho aponta criação líquida de 338 empregos formais no mês de agosto

Bento Gonçalves registrou 1,5 mil admissões e 1,2 mil desligamentos, resultando, então, em uma criação líquida de 338 empregos formais, representando um acréscimo de 0,87% dos empregos formais segundo a Carta Mensal do Mercado Formal de Trabalho, que apresenta à comunidade dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério da Economia (ME).

Nesta Carta, são apresentados os dados referentes ao mês de agosto de 2020 para o Brasil, o Rio Grande do Sul e os municípios de abrangência da UCS: Bento Gonçalves, Canela, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da
Cunha, Garibaldi, Guaporé, Nova Prata, São Sebastião do Caí, Torres, Vacaria, Veranópolis e Vila Maria.

Seguindo a definição usada pelo sistema RAIS/CAGED, Saldo é a diferença entre admitidos (início de vínculo empregatício) e desligados (fim de vínculo empregatício). O saldo positivo indica criação de novos postos de trabalho, enquanto o saldo negativo indica extinção de postos de trabalho.

Desse modo, o município de Bento contou com um estoque de 39,1 mil postos formais. A Indústria obteve o maior saldo positivo, esse setor gerou 258 empregos, marcando um aumento de 1,55% no nível de seus empregos. O segundo setor que mais criou empregos no município foi o Comércio, com 41 novos postos de trabalho. Nenhum setor registrou saldo negativo no mês estudado.

Apesar do desempenho positivo em agosto, o acumulado do ano contou com destruição de empregos, foram encerrados 645 empregos formais de janeiro a agosto em Bento Gonçalves. Os Serviços foram o principal motivador do resultado negativo, com 690 empregos encerrados no período. Por outro lado, a Indústria obteve o maior saldo positivo, com criação de 178 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses foram fechados 841 postos formais, influenciado, principalmente, pelos Serviços, que tiveram 766 demissões, marcando um decréscimo de 5,70% do nível de seus empregos.

O resultado de agosto marcou o segundo mês consecutivo de saldo positivo após quatro meses de desempenho negativo, sendo que em 2020 a criação de empregos para o mês foi maior que em 2019. No
acumulado do ano houve destruição de 645 empregos, contra geração de 748 no mesmo período do ano
anterior. Nos últimos 12 meses foram fechados 841 empregos, frente à criação de 439 no ano anterior.

Fonte: Carta Mensal do Mercado Formal de Trabalho

Foto: Arquivo

Dados: