Baile de debutantes encerra quarta edição “Sonhos de Menina Moça” em Bento

O sonho de ter uma festa de debutantes se tornará realidade para adolescentes de Bento Gonçalves que são contempladas com a quarta edição do Projeto Sonhos de Menina Moça. Com direito a vestido, salto e maquiagem, a noite mágica culminará com a valsa conduzida pelos padrinhos no dia 28 de outubro, às 19h30, no Clube São Bento.

Em quatro anos, o projeto social, coordenado pelo Gabinete da Primeira Dama, já beneficiou 64 meninas.  Elas são escolhidas por meio do Cadastro Único e, além de realizar o sonho de debutar, participam de diversas atividades de promoção ao bem-estar, saúde e cidadania.  As jovens recebem formação desde março, semanalmente, sobre criação de texto, cultura do município, sexualidade, cuidados com a saúde da mulher, etiqueta, informática, entre outros. Neste ano, o enfoque ficou por conta da profissionalização, tanto que todas as participantes já estão empregadas ou encaminhadas em empresas que aderem ao Jovem Aprendiz.

“Neste ano em especial conseguimos alcançar o sucesso em encaminhar todas as meninas ao mercado de trabalho, através do Jovem Aprendiz e Senac, e por isso temos mais motivos para brindar durante o baile”, ressalta a primeira dama Cynthia Pasin, que complementa: “as adolescentes são preparadas ao longo do ano com temas diretamente relacionados à fase da vida e ao futuro que desejam trilhar, indiferente das limitações que elas possuem, uma vez que a ação contempla também meninas com deficiências”.

Everli Raisa Pereira da Silva possui baixa acuidade visual. Para a mãe, Jaqueline Pereira, “a Everli teve uma melhora nos relacionamentos, perdeu a timidez e faz amizades com mais facilidade. Antes só saía acompanhada, agora sai sozinha. Sou muito grata pela oportunidade”, ressalta.

Paola Rático foi contratada por uma farmácia e afirma que é um aprendizado propiciado para a vida toda. “Adquirimos conhecimento que vamos aplicar no nosso futuro pessoal e profissional”, diz a adolescente

O sucesso do programa deve-se principalmente à contribuição de parceiros em diversos níveis da comunidade, entidades, poder público e iniciativa privada. Cada adolescente conta com um padrinho. O empresário e presidente do CIC/BG, Laudir Miguel Piccoli, acredita no projeto desde o início. “Valorizamos a ação pela integração social que ela proporciona, demonstrando que com pequenas atitudes podemos oferecer grandes momentos e possibilitar novas oportunidades”, enfatiza Piccoli.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Foto: Divulgação/ Evandro Soares