Apenados de quatro unidades prisionais do RS se formam em artesanato e costura sustentável

No mês de outubro, 38 apenados e apenadas de quatro unidades prisionais do Rio Grande do Sul receberam certificados de oficinas do programa Sesc Envolva-se. O objetivo é valorizar a cidadania, promover alternativas de geração de renda para pessoas presas e desenvolver a sustentabilidade.

Os apenados da Penitenciária de Canoas 1, as apenadas do Instituto Penal Feminino de Porto Alegre e as detentas da galeria LGBT da Penitenciária Estadual de Charqueadas realizaram a capacitação de técnicas de tapeçaria e artesanato sustentável. Na Penitenciária Estadual Feminina de Guaíba, as mulheres privadas de liberdade realizaram o curso de aperfeiçoamento em costura sustentável e upcycling.

“Este é o primeiro certificado que eu recebo na vida. Espero que outros cursos como este aconteçam, porque, para nós, são muito importantes”, afirmou a apenada M.L.M., recolhida na Penitenciária de Guaíba, que se formou na segunda-feira (25/10). O trabalho desenvolvido capacitou as apenadas para transformar roupas de adultos, que seriam descartadas por não se encontrarem em condições de serem comercializadas, em roupas infantis e artigos de decoração.

Secretário de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo, Mauro Hauschild enfatizou que a educação e a profissionalização da população prisional são fundamentais para a inclusão social e a diminuição do índice de reincidência no sistema prisional. “As pessoas privadas de liberdade que concluíram as oficinas puderam desenvolver muitas habilidades, garantindo, na formatura, não só o certificado, mas uma perspectiva de trabalho e geração de renda”, destacou.

Sustentabilidade, educação e geração de renda

Os três eixos norteadores do programa Envolva-se foram trabalhados nas unidades prisionais durante a capacitação. A sustentabilidade ocorre através da reutilização de resíduos têxteis provenientes da indústria. O programa coleta resíduos de 55 empresas parceiras e distribui para grupos e pessoas que os transformam em um produto com valor cultural, social e econômico.

O eixo da educação, composto por cursos, oficinas e palestras, é desenvolvido por meio do aperfeiçoamento de costura e artesanato sustentável para ensinar a transformar esses produtos. A geração de renda significa potencializar as possibilidades de ganho através da costura e do artesanato.

A parceria do Sesc foi alinhada com a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) por meio da Divisão de Educação Prisional do Departamento de Tratamento Penal (DTP) e já ocorre há alguns anos. A assistente social da Susepe Maura Moisinho acompanhou a formatura nas quatro unidades prisionais e destacou que a efetivação da política pública da educação prisional foi alcançada devido à realização do trabalho por várias pessoas, desde a coleta de resíduos sólidos feita pelo Sesc, a gestão da educação pelo DTP e o comprometimento de servidores e diretores das unidades prisionais envolvidas.

“Além do certificado de conclusão, as pessoas privadas de liberdade receberam valores, oportunidades para melhora na autoestima e geração de renda, propiciando empoderamento e desenvolvimento da autonomia. São possibilidades que também favorecem a credibilidade e a aproximação de familiares através das produções realizadas”, afirma Maura. “Essa parceria é bem importante porque, através desses cursos, as pessoas privadas de liberdade têm possibilidade de futura reinserção social e geração de renda quando saírem do sistema prisional”, reforça Michele Cardoso Corrêa, assistente social do Sesc Comunidade.

A diretora da Penitenciária de Guaíba, Natalia Azenha, também ressaltou que seguirão em busca de novas possibilidades para oportunizar educação e trabalho prisional para as mulheres. “É nosso dever proporcionar iniciativas que possibilitem que as mulheres retomem suas vidas e possam prover o sustento de suas famílias quando saírem em liberdade”, enfatizou.

Nas formaturas, estiveram presentes as direções, as coordenações técnicas e as equipes técnicas das unidades. A delegada da 10ª Delegacia Penitenciária Regional (DPR), Patrícia Picolotto, a coordenadora técnica da 10ª DPR, Isadora Lartigau, e o delegado da 9ª Região Penitenciária, Paulo Pires, também participaram.

 

Fonte: Governo do Estado
Foto: Divulgação Susepe

(RM)