Varejo gaúcho deve gerar cerca de oito mil empregos temporários no último trimestre de 2016

varejo

O último trimestre de 2016 deve trazer um alento para os indicadores de emprego no varejo gaúcho. A expectativa é da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, que aponta a geração de seis a oito mil vagas temporárias de trabalho para o setor, especialmente no período que compreende os meses de novembro e dezembro, e, ainda, janeiro de 2017. No geral, o estado deve contar com quinze mil novas contratações sazonais nestes 90 dias.

O presidente da FCDL-RS Vitor Augusto Koch destaca que os três meses que antecedem o Natal são os mais dinâmicos no estado em matéria de criação de novos empregos. Nos últimos dez anos foram criadas, em média, 32 mil vagas temporárias entre setembro e novembro.

– Após passarmos por uma crise sem precedentes no final de 2015, quando o setor industrial, especialmente, deixou de contratar por conta da brutal queda de consumo da população, neste 2016 a situação mostra-se diferente. Já há sinais evidentes de lenta, mas firme recuperação da atividade econômica em vários segmentos – enfatiza Vitor Augusto Koch.

Municípios litorâneos, também ganham com o início da temporada de veraneio gerandomais postos de trabalho.

– É importante frisar que o emprego temporário representa uma oportunidade para que o trabalhador obtenha uma vaga fixa na empresa. Dando o máximo de si e contribuindo para o crescimento do negócio, eles ganham a possibilidade de ser efetivados ao final de seu contrato. Nos anos em que a economia estava fortalecida, cerca de um terço dos temporários acabavam sendo contratados em definitivo – salienta o presidente da FCDL-RS.

Segundo a entidade associativista, em novembro cidades como Porto Alegre, Pelotas, Caxias do Sul, Rio Grande, Passo Fundo, Santa Maria e Capão da Canoa serão as principais responsáveis pelo surgimento de vagas temporárias no varejo gaúcho. Já em dezembro e janeiro, caberá aos municípios do Litoral Norte, como Tramandaí, Torres, Imbé, Capão da Canoas, Xangri-lá, Arroio do Sal e Osório, fomentarem as contratações sazonais.

A melhor marca referente a geração de postos de trabalho temporários no último trimestre do ano para o varejo gaúcho foi registrada em 2010, com saldo positivo de 25.719 contratações. O patamar mais modesto foi registrado em 2015, com o reforço de mão de obra sendo restrito a 3.841 empregos sazonais, fruto do epicentro da recessão brasileira.

Fonte: FCDL-RS