Terceirização do Samu vai acontecer em Bento, diz Pasin

Depois de manifestar-se para empresários no Centro da Indústria, Comércio e Serviços (CIC-BG) no último dia 13 deste mês, defendendo a implantação de “Parcerias Público-Privadas” para o município, o prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, garantiu em entrevista para Rádio Difusora, que um novo modelo de contrato de terceirização da gestão do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) será aplicado.

O objetivo é a partir desta medida, conseguir levantar indicadores, metas e serviços. Para isto, um dos primeiros passos será a abertura de licitação para encontrar interessados.

“O Samu já vem dentro de um pacote estabelecido pelo Governo Federal, ratificado pelo Estado e pelo município. Seria apenas um método diferente de contratação do prestador de serviços”, disse.

SamuPasin destacou que 80% da saúde do município são de terceirizados atualmente. “Nada vai mudar, e sim, uma empresa ou entidade parceira que terá o interesse na boa prestação do serviço”, acrescentou.

Ele encerrou dizendo que uma melhoria de gestão, “é garantia da melhora na prestação de serviços. Todo o recurso que o município assim economizar será reinvestido. Dentro de saúde tu não tens caixa, recursos guardados, e sim um método de gestão bem aplicado”, finalizou.

Édson Zandoná, que acaba de deixar a presidência do Conselho de Administração do Hospital Tacchini, e prossegue como conselheiro, opinou que “as parcerias público-privadas podem sair. Mas o Hospital não tem condições de arcar com despesas. O Hospital fará o serviço desde que seja remunerado pelo que for fazer”, mencionou.

A posição do ex-presidente baseia-se principalmente na tabela do SUS, que há 12 anos não tem reajuste. O que a instituição recebe não cobre 30% dos gastos. Só para o Sistema Único de Saúde foram recebidos R$ 33 milhões, com o gasto de R$ 50 milhões para executar o serviço. O prejuízo ficou em R$ 17 milhões.

Fonte: Central de Jornalismo da Difusora