Sicredi apresenta resultados do primeiro semestre

Sicredi (24)

Única instituição financeira presente em 199 municípios, com 3,8 milhões de associados em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal, com crescimento exponencial em diversos indicadores de desempenho. Esse é o panorama do Sicredi apresentado nesta quarta-feira (10/10), durante o Encontro Nacional de Jornalistas, realizado na sede da cooperativa, na Tecnopuc, em Porto Alegre.

Resultados semestrais do Sicredi

De acordo com as Demonstrações Financeiras Combinadas do Sicredi no primeiro semestre de 2018, o resultado líquido da instituição financeira cooperativa no período cresceu 11% e seu patrimônio líquido registrou aumento de 17,1%, quando comparado ao primeiro semestre de 2017, totalizando, respectivamente, R$ 1,36 bilhão e R$ 13,8 bilhões. Já os ativos atingiram R$ 87,8 bilhões, crescimento de 20,6% no comparativo com o primeiro semestre de 2017.

Na captação, o Sicredi obteve um crescimento de 20,8% em depósitos totais na comparação com o mesmo período do ano passado, alcançando R$ 57,2 bilhões. No mesmo período, a poupança – um dos focos da instituição financeira cooperativa, tendo em vista que incrementa e auxilia a fomentar o crédito rural – teve um aumento de 49,9%, atingindo R$ 11,6 bilhões. Já a carteira de crédito totalizou R$ 45,7 bilhões, um incremento de 23,5% em relação ao mesmo período de 2017. A carteira de crédito rural fechou em R$ 17,5 bilhões no primeiro semestre de 2018, com crescimento de 14% em comparação ao mesmo período de 2017.

Mesmo com a ampliação da carteira de crédito, o índice de inadimplência do Sicredi manteve-se decrescente, com 1,51% (no primeiro semestre de 2017 era 2,04%). Vale ressaltar que, por conhecer melhor o associado e manter com ele uma relação na qual o associado é o dono do negócio, as cooperativas de Crédito apresentam um menor índice de inadimplência, o que permite oferecer taxas melhores e condições para empréstimos, contribuindo decisivamente para o desenvolvimento regional.

O Sicredi conta, atualmente, com 116 cooperativas de crédito filiadas, presentes em 1.238 cidades. Com cinco centrais e 1.611 agências, o Sicredi conta com 23,9 mil colaboradores.

Para o presidente do Banco Cooperativo Sicredi, João Tavares, o que justifica uma instituição financeira é o quanto ela é capaz de agregar soluções para a vida financeira das pessoas. “Por isso é importante preservamos o nosso diferencial competitivo de estarmos próximos das comunidades”, explica. O discurso é reforçado pelo representante do Departamento de Supervisão de Cooperativas e de Instituições Não-Bancárias do Banco Central, Harold Espínola, que afirma que o desafio é agregar valor para que as pessoas continuem naquela instituição financeira, apesar delas serem bombardeadas por diversas ofertas. “Tem que ter um sentido, um sentido de relacionamento, a pessoa tem que ser reconhecida, sentir-se valorizada e diferente pela relação que a instituição oferece. E as cooperativas, nesse sentido, elas têm isso no seu DNA. Cooperativa é uma sociedade de pessoas, é uma sociedade de relacionamento”, destaca Espínola.

Cooperativismo de crédito no mundo e Brasil

A abrangência internacional das cooperativas de crédito é evidenciada pelo Woccu. Em 2016, a entidade internacional representativa registrou 235 milhões de associados, 68 mil cooperativas de crédito, localizadas em 109 países de seis continentes. A taxa de penetração do segmento – que é calculada dividindo o número total de membros de cooperativas de crédito pela população em idade economicamente ativa – é de 74,47% na Irlanda, 52,61% nos Estados Unidos, 46,71% no Canadá, 17,65% na Austrália e 3,42% no Brasil.

Embora pequena, quando comparada a países da Europa e aos Estados Unidos, por exemplo, a participação das cooperativas de Crédito no Sistema Financeiro Nacional (SFN) tem registrado um constante incremento. Segundo o Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2017, divulgado pelo Banco Central do Brasil (BC), o segmento passa por um processo contínuo de consolidação. Em dezembro de 2017, o estudo aponta um total de 9,6 milhões de associados no Brasil, crescimento de 8% em relação a dezembro de 2016, e a existência de 967 cooperativas de Crédito singulares distribuídas pelo País, que contam hoje com quase 5 mil agências.

O documento do BC também aponta que o percentual de participação das cooperativas de Crédito aumentou dentro do SFN. Em 2017, os ativos totais das cooperativas do ramo chegaram a R$ 178,50 bilhões, correspondendo a 2,15% nos ativos totais do Sistema Financeiro Nacional (eram 1,87% no panorama de 2016). O Patrimônio de Referência das cooperativas de Crédito totalizou R$ 38,20 bilhões, representando 4,24% em relação ao Patrimônio do SFN. Já a carteira de crédito classificada das cooperativas de Crédito alcançou R$ 95,90 bilhões, representando 2,81% na carteira de crédito classificada do SFN, enquanto que os depósitos totais das cooperativas de crédito chegaram a R$ 105,60 bilhões, 4,5% nos depósitos do SFN.

Segundo Tavares, o modelo do cooperativismo na Europa é muito mais popular e espalhado do que no Brasil, onde há um sistema financeiro bastante concentrado. Apesar disso, o presidente do Banco Cooperativo Sicredi identifica esse cenário como uma oportunidade de expansão de negócios. “Eu vejo isso como um grande potencial, pois se a gente mirar alguns modelos internacionais conseguimos vislumbrar um crescimento muito grande nos próximos anos”, argumenta.

O futuro é agora: transformação digital!

O Sicredi coloca em prática uma estratégia voltada para sua transformação digital. A instituição financeira cooperativa está dando passos importantes nesse sentido para ser cada vez mais conectada com os associados de todos os perfis e regiões. Segundo o líder de Transformação Digital do Sicredi, Tiago Nicolaidis, a responsabilidade de conduzir o processo de uma instituição financeira centenária deve estar alinhada ao propósito cooperativista. “Transformar é ressignificar e reconstruir sem perder a essência, o DNA e o propósito”, ressalta.

O projeto de transformação digital, que vai além de questões tecnológicas e passa também por mudanças culturais, traz mais benefícios aos associados ao tornar suas experiências de interação com o Sicredi ainda mais próximas e personalizadas, seja qual for o canal de relacionamento escolhido.

A bandeira do cooperativismo tem forte influência nessa jornada de transformação. Além das melhorias que estão sendo implementadas no âmbito organizacional, também nos produtos oferecidos, com sua participação mais ativa no ambiente digital, o Sicredi apresenta o cooperativismo de crédito a novos públicos. Como parte desse processo, a instituição financeira cooperativa lançou recentemente o Woop Sicredi, conta 100% digital desenvolvida para ser uma solução complementar, voltada para o autosserviço e baseada no novo core bancário (sistemas que processam os produtos e serviços), além do alinhamento com os rumos do negócio.

Com uma linguagem simples e descomplicada, o aplicativo visa atender pessoas conectadas, jovens de espírito, por meio da oferta de serviços financeiros digitais na plataforma. Nele, é possível associar-se e criar uma conta digital, sem papel; ter acesso à conta corrente com pagamentos de contas de consumo e transferências; poupança; limites e créditos; cartão 100% digital; autenticação digital; programa de fidelidade e organizador financeiro.

Outras conquistas: expansão nacional

Paralelo ao processo de transformação digital, o Sicredi também segue investindo na abertura de novas agências em âmbito nacional, estando, assim, alinhado ao conceito de presença nacional com atuação regional, valorizando a proximidade com os associados e com as comunidades.

De junho de 2017 a junho de 2018, o Sicredi registrou um aumento em seu número de agências, passando de 1.534 a 1.611 agências em todo o Brasil. Este ano, foram inauguradas 71, entre elas, as agências no Distrito Federal e em Minas Gerais, marcando a entrada do Sicredi nessas duas unidades federativas.

 

Fonte: Sicredi