Setembro Amarelo: mês de prevenção ao suicídio

setembro_amarelo_FINAL_MATERIA

“Um pouco mais de cor pode resignificar uma vida”. No mês de combate ao suicídio, o setembro amarelo simboliza a necessidade de olhar para o outro, de falar sobre o tema, através da conscientização e da prevenção.

Desde 2015, por iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o mês de setembro foi escolhido para conscientizar a população e as formas de prevenção do suicídio no país, por meio de identificação de locais públicos e particulares com a cor amarela.

De acordo com o coordenador do setor de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde, Maurice Bouwary “uma grande parcela das pessoas que se suicidam, já apresentavam sintomas associados a depressão, tais como: sensação de tristeza, perda do interesse pelas coisas, alterações no sono, apetite, cansaço, falta de concentração, baixo autoestima”.

Em caso de perceber em alguém o risco de suicídio, ele recomenda: Encontre um lugar adequado para conversar tranquilamente e com privacidade; Mostre sua preocupação oferecendo apoio, zelo e afeto que podem ser demonstrados, através de palavras ou gestos. Evite efetuar julgamentos morais desnecessários como dizer se aquele ato é certo ou errado. Avise essa pessoa que você necessita entrar em contato com a família dela ou responsáveis, dessa forma você preservará o vínculo de confiança construído. Caso necessário, companhe-a  até uma Unidade de Saúde mais próxima.

A Secretaria Municipal da Saúde oferece atendimento psicológico em todos os pontos da Atenção Básica, quando avaliada a necessidade, encaminha-se para um acompanhamento especializado nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), onde é oferecido  atendimento psiquiátrico. Em casos de risco eminente e/ou urgência, o paciente deverá ser direcionados para a Unidade de Pronto Atendimento.

No Brasil ocorrem 12 mil suicídios anualmente. No ano de 2017, Bento Gonçalves registrou 15 suicídios.

“É importante desmistificar a crença que aquele que fala em se matar, não se mata, mas que apenas quer chamar a atenção. O fato é que a  maioria destas pessoas precisam de ajuda, e  essas expressões já evidenciam a ideia que elas tem de abreviar sua existência.  O cuidado com a saúde mental deve ser constante precisando ater aos sinais que indiquem qualquer alteração que aponte a possibilidade de alguém estar pensando em suicidar-se”, salienta Maurice.

Desde julho deste ano, as ligações de prevenção ao suicídio, feitas para o Centro de Valorização da Vida, através do 188, passaram a ser gratuitas em todo o Brasil.

O serviço funciona 24h, todos os dias da semana. Por meio do número, pessoas que sofrem de ansiedade, depressão ou que correm risco de cometer suicídio conversam com voluntários da instituição e são aconselhadas. O CVV oferece total sigilo de identidade e também pode ser contatado por e-mail e chat, no site do órgão.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social Prefeitura