Setembro Amarelo: a necessidade de compartilhamento de afetos reais

Em uma sociedade fragilizada por necessitar da aprovação pelo olhar do outro, cada vez mais encontram-se pessoas isoladas, tristes, e necessitadas de mostrar quem verdadeiramente são. Estes aspectos fazem com que muitos se refugiem em sofrimento e no extremo dessa dor optem pelo abreviamento da existência.

A Secretaria Municipal de Saúde atua diariamente desde a Atenção Básica para receber e atender pessoas que sofrem devido a estes e outros aspectos. “A Atenção Básica tem profissionais preparados para receber pessoas que necessitam de ajuda e que quando necessário serão encaminhadas para acompanhamento especializado nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), onde é oferecido atendimento psiquiátrico. Em casos de risco eminente e/ou urgência, o paciente deve ser direcionado para a Unidade de Pronto Atendimento. Cada vez mais estamos especializando nossas equipes e ampliando nossos serviços para atender esses pacientes que necessitam”, ressalta o coordenador médico, Marco Antonio Ebert.

A Coordenação do setor de Saúde Mental da Secretaria chama a atenção para os riscos de suicídio. Uma grande parcela das pessoas que se suicidam, já apresentavam sintomas associados à depressão, tais como: sensação de tristeza, perda do interesse pelas coisas, alterações no sono, apetite, cansaço, falta de concentração, baixo autoestima. Por isso a importância de auxiliar, sendo através de uma conversa, na posição de ouvinte, sem julgamentos, ou demonstrando preocupação, apoio, zelo e afeto.

 

“Independente de que ordem é importante haver o compartilhamento de afetos reais, existir a possibilidade de confiança honesta daquilo que não é perfeito”, explica o coordenador do setor de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde, Maurice Bouwary.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde para cada suicídio foram 20 tentativas. Além disso, no Mundo, ocorre uma morte a cada 40 segundos. Em 2018, em Bento Gonçalves foram registrados 12 suicídios.

O suicídio é um fenômeno complexo, de múltiplas determinações, mas saber reconhecer os sinais de alerta pode ser o primeiro e mais importante passo. O suicídio é um ato de comunicação. Quem se mata, na realidade tenta se livrar da dor, do sofrimento, que de tão imenso, parece insuportável. Uma das alternativas para falar sobre o assunto, é o Centro de Valorização da Vida, no 188, onde a pessoa pode ligar e pedir ajuda. De forma sigilosa e sem julgamentos, o voluntário do CVV busca ouvir aquele que liga com profundo respeito, aceitação, confiança e compreensão, valorizando a vida e, consequentemente, prevenindo o suicídio.

Entre as ações do Setembro amarelo, o Setor, através do CAPS i, CAPS II, CAPS ad promovem nesta sexta-feira, dia 13, às 14h, na Fundação Casa das Artes, a exibição do longa metragem “Intocáveis”. O objetivo é através do dispositivo artístico proporcionar um espaço de reflexão sobre saúde mental, potencializar habilidades sociais, ampliar a rede social dos usuários, bem como promover a reinserção social dos mesmos. O evento é direcionado aos usuários dos serviços de saúde mental, seus familiares e usuários dos grupos de saúde mental das UBS/ESF do Município.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social