Servidores participam de capacitação com foco na violência contra crianças e adolescentes

Na manhã desta segunda-feira, dia 11, ocorreu a abertura do ciclo de palestras da “Capacitação para o enfrentamento de todas as formas de violência contra Crianças e Adolescentes“, no Bloco J do Campus Universitário da Região dos Vinhedos (Carvi), reunindo cerca de 100 profissionais da rede de educação de Bento Gonçalves.

O curso integra o projeto “Respeitar, proteger e garantir”, e foi elaborado de forma conjunta pelas secretarias municipais de Educação, Habitação e Assistência Social e de Saúde, consistindo na instrumentalização de profissionais da rede de atenção à criança e adolescente para trabalhar na prevenção e identificação de situações de violência.

O secretário de Habitação e Assistência Social e Esportes, Eduardo Viríssimo, salientou a importância de promover essa qualificação aos profissionais que convivem com as crianças. “Esse projeto vem para garantir que cada um de nós possa aprender e criar resoluções para ajudar as crianças e as suas famílias a fugirem dessa realidade. Que esses dois dias de capacitação sejam de muita reflexão, mas além disso, que possamos sair daqui com mais ferramentas e atitudes para proteger o crescimento das crianças e adolescentes e assegurar seus direitos contra toda e qualquer violência“, ressaltou.

Em seguida, o diretor acadêmico do Carvi, Fernando Ben, saudou os participantes e destacou a importância de debater o assunto. “Este é um tema delicado em toda a sociedade, pois a violência é um problema que permeia em todos os ambientes. Discutir técnicas e maneiras de coibir a violência em todas as suas formas é fundamental”, pontuou.

O presidente da Câmara de Vereadores, Rafael Pasqualotto, parabenizou a iniciativa e explanou sobre o panorama da temática na sociedade. “Nada mais importante do que promover palestras e cursos que nem esse. Parabéns a todos os presentes, pois no meio disso tudo, temos uma criança vulnerável, incapaz e ingênua, que necessita ter a sua dignidade garantida“, enfatizou.

Em seu pronunciamento, o promotor de Infância e Juventude, Élcio Resmini Meneses, evidenciou a relevância da educação como uma forma de proteção das crianças e adolescentes. “Não precisamos criar nada além do que já existe, precisamos botar em prática aquilo que no dia-a-dia estamos acostumados a ver nas nossas tarefas, que é a necessidade de intervenção de um adulto ajudando outro adulto a preparar o caminho das nossas crianças”, disse.

O prefeito Guilherme Pasin enfatizou a importância da atenção dos profissionais que formam as crianças e adolescentes a qualquer sinal de violência. “Esse assunto é mais do que importante. É sentir sinais e sintomas da violência contra nossas crianças, e é justamente por isso que nós reiteramos essa prática de estarmos redobrando nossos esforços e aguçando nossos sentimentos, para identificarmos de forma precoce um trauma que ainda não se consolidou. Precisamos entender e o objeto deste encontro é que tenhamos a sensibilidade e um caráter científico de sentir o que é agressão e o que não é. É justamente por isso que vocês são agentes públicos, que não apenas exercem suas funções, mas servem a sociedade como um todo, que garantem a vida em sociedade”, destacou.

A capacitação é dividida em duas turmas, sendo a primeira voltada para profissionais da rede de educação do município, e a segunda tendo como público alvo profissionais das áreas da saúde e da assistência social, com data do encontro a ser definida.

A professora Sarai Sánchez de León Fernández, graduada em Psicologia pela Universidade Granada da Espanha, com especialização em Educação Especial, Deficiência Mental e Inclusão Escolar pela Universidade de Caxias do Sul, mestrado em Educação pela Universidade de Caxias do Sul em andamento, abriu as palestras do evento. Dentre os assuntos abordados estão a contextualização histórica da violência contra crianças e adolescentes, formas e expressões de violência, vínculos afetivos e prevenção à violência, relações familiares e rede de proteção social, círculos restaurativos e cultura da paz.

O conselheiro tutelar de Bento Gonçalves, Paulo Ricardo de Souza, destaca os principais problemas envolvendo crianças e adolescentes atualmente no município.

“Depois da evasão escolar que vem por motivos de agressão, de abuso sexual, eu vejo que essa agressão física ainda está incutida na cultura nossa e ainda não se soube separar o que é uma conversa, uma disciplina da agressão. Então muitas pessoas tem uma distorção da Lei Menino Bernardo, onde a gente viu que ultrapassou da violência contra uma criança e isso faz com que os problemas apareçam. Em Bento Gonçalves, em primeiro lugar, nós temos hoje a evasão escolar, e em segundo, as agressões físicas, psicológicas e sexuais. Graças a essas capacitações, como a de hoje, as pessoas estão se encorajando mais e estão denunciando”, disse.

Também estiverem presentes na atividade, a secretária de Educação, Iraci Luchese Vasques, o secretário-adjunto de Habitação e Assistência Social, Wagner Dalla Valle, o conselheiro tutelar, Paulo Ricardo de Souza, o coordenador das Vigilâncias de Bento Gonçalves, Rafael Vieira, e o representante da 5ª CRE, João Gauer Júnior.

Clique na imagem para ampliar: