Secretaria do Meio Ambiente esclarece situação do Lago Fasolo em Bento

Na manhã da terça-feira, dia 17, a reportagem da Rádio Difusora recebeu um chamado e conversou com moradores que reclamam do mau cheiro e da mortandade de peixes no Lago Fasolo, bairro Progresso, em Bento Gonçalves.

Não é a primeira vez que a mortandade de peixes é registrada no local, e esse último caso já tem três dias, segundo moradores. A reportagem contatou a Secretaria do meio Ambiente, através do secretário Cláudio Dias, que enviou alguns esclarecimentos.

Confira o esclarecimento da Secretaria do Meio Ambiente

*1 – Recebemos uma denúncia sobre mortandade de peixes no Lago Fasolo, e sabemos que algo semelhante já havia ocorrido no ano passado. O que foi feito desde então? *

Em 2013 foi feito acordo entre a Prefeitura, a empresa responsável pelo Lago e Corsan. Na época o Ministério Público definiu a Corsan para dar prosseguimento a ligação de esgoto. Foi realizada audiência no Ministérios Público, e a Corsan, juntamente com a Secretaria do Meio Ambiente realizou audiência com os moradores para verificar todas as ligações.

2- Quem é o responsável pela fiscalização e condição da área?

Fiscalização do Meio Ambiente, Patram ou qualquer entidade ambiental.

3 – A Prefeitura trabalha para fazer o tratamento do esgoto da área?

Quem deve fazer o tratamento e ligação do esgoto para Estação de Tratamento de Esgoto é a Corsan.

4 – Sabemos que havia um projeto para tornar o lago em um parque público. O que ocorreu com esse projeto? A Prefeitura ainda pensa em revitalizar esse espaço?

No momento não, porque é uma área privada.

5 – Em 2014 houve a limpeza do lago junto a Corsan. Desde então que ações têm sido feitas para preservar o local?

De acordo com acordo de 2013 feito entre a Prefeitura, a empresa responsável pelo Lago e Corsan, a empresa daria prosseguimento ao tratamento do esgoto. A prefeitura realiza fiscalização do local.

6 – A se confirmar as mortes de animais por lançamento de fluentes de esgoto, quem deve se responsabilizar pelo ocorrido?

A Secretaria do Meio ambiente fiscalizou o local e constatou, que é pela falta de oxigenação gerada pelas altas temperaturas.