Projeto Comprador da FIMMA Brasil 2017 prospecta U$$ 20 milhões, após rodadas de negócios

IMG_9394

O terceiro dia da FIMMA Brasil 2017, Feira Internacional de Máquinas, Matérias-Primas e Acessórios para a Indústria Moveleira, em Bento Gonçalves, foi marcado pela finalização do Projeto Comprador e do anúncio de superação de negócios. Enquanto na edição 2015, foram cerca de 600 reuniões com 50 compradores internacionais , a edição deste ano aumentou em 50%, para 1200, chegando a U$$ 3,3 milhões com prospecção em 12 meses de U$$ 20 milhões.

O resultado foi celebrado em entrevista coletiva do presidente da FIMMA, Rogério Francio, e integrantes de sua diretoria, além do presidente da entidade promotora do evento, Movergs (Associação das Indústrias de Móveis do Rio Grande do Sul), Volnei Benini e Cândida Cervieri, diretora executiva da instituição.

“Percebemos que a FIMMA passa a ser uma alavanca para a melhoria dos negócios a curto e médio prazo. É uma retomada que começa de forma significativa e que irá melhorar a partir do segundo semestre”, disse Francio.

O Projeto Comprador tem o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – APEXBrasil, através do Projeto Orchestra Brasil, e da ABIMÓVEL, pelo Projeto Brazilian Furniture.

Já Volnei Benini recordou que uma das alternativas planejadas seria pensar nas exportações, por isto a presença de 50 importadores. “Isto foi para que as empresas pudessem vender seus produtos lá fora”, afirmou.

FIMMA Brasil 2017 deverá superar os 25 mil visitantes, projeção inicial realizada pela diretoria (a edição 2015 contou com cinco dias de feira e com 33 mil. *Em 2017 são quatro dias de evento). Foram cerca de 5 mil no primeiro dia, 7 mil no segundo, número que deverá se repetir na contagem desta quinta-feira e sexta, respectivamente.

Com menos expositores, 360, representando 500 marcas, a direção reconheceu diante de um cenário de redução das feiras em nível de País, em virtude do momento econômico, a importância de 30% de novas empresas presentes no evento, com 98% do espaço comercializado. Aliás, a equipe comercial iniciou nesta quinta-feira o momento de renovações de contrato com expositores interessados na próxima FIMMA.

A estimativa em negócios pós feira, é de U$$ 290 milhões. O dado final será divulgado somente após o término, que ocorre nesta sexta-feira, 31. Contudo, a diretoria diz que sondagens de opiniões estão sendo efetuadas durante a FIMMA.

“Como gostamos de trabalhar com números e pesquisa, providenciamos algumas pessoas que estão caminhando dentro do Parque, para não ficar apenas na informação da diretoria. Acreditamos não só pelo entusiasmo, mas pelas informações que estão chegando”, finalizou Francio, projetando incrementos no resultado final da FIMMA.

Durante o encontro ainda, o presidente da MOVERGS, Volnei Benini, contou que o Centro Gestor de Inovação voltará para a sede da entidade em abril. “Estava instalado na Universidade de Caxias do Sul – UCS, mas, frente ao trabalho desenvolvido pela Associação, voltará para nós. Continuaremos trabalhando integrados com a faculdade, mas teremos novamente este importante núcleo de pesquisa e inteligência conosco”.

No final da coletiva de imprensa – que reuniu em torno de 30 jornalistas e formadores de opinião do Brasil, Índia, Canadá, México, Espanha, Itália, Chile e Argentina –, Rogério Francio anunciou a data da próxima edição da Feira, que ocorrerá de 26 a 29 de março de 2019.

A feira ocorre das 13h às 20h. Dentro da programação destaque nesta sexta-feira, 31, para o “Seminário Internacional sobre a NR 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos”. O evento vai abordar a aplicação da Norma Regulamentadora 12 – NR 12, bem como as oportunidades que gera para o segmento, como a proposta empresarial da construção do Anexo que o setor vem elaborando. Também serão abordadas as instruções normativas e medidas no âmbito do governo, em especial as modificações ocorridas no último ano.

A Norma Regulamentadora da NR- 12, do Ministério do Trabalho, teve seu texto base revisto em 2010, com o objetivo de alinhar o padrão brasileiro de segurança em máquinas e equipamentos aos praticados por países europeus.

Fonte: Central de Jornalismo da Difusora