Prefeitos da Amesne encaminham Força-Tarefa na busca de solução para cirurgias pelo SUS

37407795_693612250973506_973131441997086720_n

Uma comitiva com prefeitos da Amesne (Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste), Famurs (Federação das Associações dos Municípios do RS) e Secretários Municipais de Saúde, cumpriu agenda nesta sexta-feira, 20, com o secretário Estadual da Saúde, Francisco Zancan Paz. Na pauta, a busca de uma solução para uma fila de espera de 2800 pacientes que aguardam cirurgias de traumatologia e ortopedia de alta complexidade na região através do SUS (Sistema Único de Saúde).

A audiência contou com a presença do presidente da Famurs, prefeito de Garibaldi, Antônio Cettolin, do prefeito de Veranópolis e presidente da Amesne, Waldemar De Carli, dos prefeitos de Bento, Guilherme Pasin, de Guaporé, Valdir Fabris, além de representantes de Caxias do Sul, Farroupilha, Boa Vista do Sul, entre outras cidades, juntamente com a equipe técnica da Secretaria Estadual da Saúde.

Na oportunidade a Amesne reforçou a proposta de co-financiamento de 23 municípios envolvidos para alteração de credenciamento e para que a fila de espera comece a andar. Estima-se que cada cirurgia custe de R$ 7 a R$ 10 mil, sendo que as Prefeituras juntamente com apoio do Estado e Hospitais interessados com estrutura para tal, possam efetuar os procedimentos.

“Foi uma cobrança forte no sentido que se busque uma resolução do problema. A gente não aceita mais que tem trâmites burocráticos, dificuldade de teto financeiro, porque precisamos buscar uma solução. Que se passe pela Secretaria ou se revogue alguma portaria em nível de Ministério da Saúde”, comentou De Carli.

O prefeito Guilherme Pasin diz que “há mais de quatro anos estamos sofrendo com desassistência e por isto estamos buscando um caminho. É atribuição da Secretaria de Estado da Saúde a resolução deste conflito”, disse.

Definiu-se pela criação de uma Força-Tarefa entre as Prefeituras, Secretaria Estadual, para a busca de um novo Hospital referência a ser trabalhado na Serra e até mesmo na Capital Gaúcha para suprir esta necessidade.

Deverá ocorrer uma nova reunião técnica, com uma comissão de Secretários de Saúde das Prefeituras, nos próximos dias, para tentar definir este novo processo.

Desde 2016 o Hospital Pompéia, em Caxias do Sul, que possui o credenciamento, não cumpre com o serviço por atrasos de recursos. Possibilidades são ventiladas como o Hospital Tacchini em Bento, o próprio Hospital São Carlos – que no passado foi credenciado, mas que sofreu problemas financeiros -, e o Hospital Comunitário São Peregrino Lazziozi, de Veranópolis, seriam alternativas.

 

Fonte: Felipe Machado – Central de Jornalismo da Difusora