Operação Invasões prende quatro por venda irregular de terrenos em Canela

WhatsApp Image 2017-04-20 at 15.07.40

Na manhã desta quinta-feira (20), a Polícia Civil de Canela realizou a “Operação Invasões”. Quatro pessoas foram presas e encaminhadas ao Presídio Estadual de Canela para cumprimento de prisões preventivas (sem prazo). Elas são investigadas por serem responsáveis pela venda irregular de terrenos na cidade e pelas práticas dos crimes de parcelamento irregular do solo urbano, associação criminosa (formação de quadrilha), falsidade ideológica, uso de documento falso, ameaça, extorsão e posse irregular de arma de fogo, entre outros.

Segundo apurado pela Polícia Civil, são centenas de terrenos vendidos de forma irregular em Canela, muitas das vezes em áreas públicas ou áreas de preservação permanente. O Delegado Vladimir Medeiros, titular da Delegacia de Polícia e responsável pelas investigações, informa que o grupo preso na manhã de hoje é responsável por pelo menos 70% das vendas de terrenos irregulares na cidade. A autoridade policial destacou que as pessoas que compram tais terrenos, cujos valores chegam a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), são vítimas, pois adquirem, muitas vezes de boa-fé, terrenos que jamais poderão escriturar definitivamente, seja porque são localizados em áreas públicas ou em áreas de preservação permanente.

Ainda segundo a Polícia Civil, alguns dos investigados praticam esses crimes há anos. Na ação policial, que contou com a participação de sete policiais civis, foram apreendidas dezenas de documentos referentes às vendas investigadas, além de uma camionete de alto padrão, adquirida possivelmente com o fruto das ações criminosas. A Polícia Civil de Canela solicita que eventuais vítimas procurem a Delegacia de Polícia para orientação. Medeiros destacou, ainda, que o custo social para o crescimento não projetado de uma cidade é devastador, uma vez que serviços básicos, como estrutura, saúde e assistência mostram-se insuficientes para o atendimento à população.

Por fim, esclareceu que compreende a boa-fé de boa parte da população, geralmente formada por trabalhadores de baixa renda, que adquire tais terrenos, referindo que a Prefeitura Municipal está ciente da situação e afirmou ter intenção de enfrentar o problema. O Cartório de Combate à Corrupção da Delegacia de Polícia de Canela possuiu outros inquéritos policiais em andamento sobre o mesmo assunto, cujas investigações policiais estão em andamento. O delegado Medeiros não quis adiantar detalhes desses outros procedimentos.

Fonte: Polícia Civil