Operação da Polícia Civil e Secretaria da Agricultura suspendem atividades em fábrica de embutidos de Bento

Sem título

Menos de dez dias depois da uma ação conjunta da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco – Núcleo Segurança Alimentar – que cumpriu mandados na empresa Aida Alimentos em Bento Gonçalves, uma nova inspeção foi realizada nesta quinta-feira, 7.

Trata-se de uma Operação da Polícia Civil (PC), Delegacia Especializada na Defesa do Consumidor, em conjunto com a Secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária, que resultou na suspensão das atividade de fábrica de embutidos localizada no bairro Maria Goretti. Conforme divulgação da PC, foi detectada a presença da bactéria ‘Listeria’ e verificada adição de ingrediente proibido na fabricação dos produtos.

A Delegacia Especializada na Defesa do Consumidor instaurou um inquérito policial para apurar os fatos.

PRISÃO EM 2017

Em abril de 2017, durante operação da Força-Tarefa do Ministério Público Estadual – Programa de Segurança Alimentar, com participação do efetivo da Vigilância Sanitária Municipal de Bento Gonçalves e Estadual, além da Secretaria Estadual da Agricultura, foi constatada a reutilização de carne vencida e imprópria ao consumo humano na confecção de embutidos pela Aida Alimentos.

O proprietário, Mauro Francisco Gasperin, foi preso em flagrante por cometer crimes contra as relações de consumo e falsificação de selo emitido por autoridade. Foram inutilizadas aproximadamente três toneladas de produtos impróprios ao consumo, o que gerou denúncia criminal. A empresa foi autuada diversas vezes pela fiscalização estadual entre os últimos dois anos, o que não impediu a continuidade dos crimes.

Na última semana a reportagem contatou por telefone a empresa Aida, no interesse de uma entrevista ou manifestação oficial, sendo que até agora não obteve retorno.

 

Fonte: Central de Jornalismo da Difusora com informações da Polícia Civil do RS