“Nenhum paciente ficou sem recurso hospitalar”, diz médica do Tacchini sobre estrutura contra o Covid-19

Nesta terça-feira, 26, foi realizada uma entrevista coletiva virtual pela médica infectologista do Tacchini Sistema de Saúde, Nicole Golin. Ele tem sido a porta-voz da instituição que representa o Hospital Tacchini de Bento Gonçalves e o São Roque, de Carlos Barbosa. Foram pouco mais de 30 minutos para responder questionamentos da imprensa da região.

De acordo com Golin, o planejamento inicial com ampliação de estrutura de saúde tem sido fundamental para garantir o atendimento aqueles pacientes que contraíram Covid-19.

“Ainda que os números tenham aumentado, nenhum paciente que efetivamente necessitou de recurso hospitalar ficou sem”, comentou.

O Informativo Epidemiológico divulgado pelo Comitê de Atenção ao Coronavírus nesta tarde aponta para 29 casos novos confirmados (mediante resultados de testes, inclusive em laboratórios particulares não credenciados) e 18 pessoas apresentaram a cura clínica. Isto representa que o município de Bento registrou 496 casos, com 329 recuperados (167 infectados ativos) e nove óbitos até então.

Ela chamou a atenção pela variação de 60 a 65% de ocupação dos leitos do Hospital Tacchini para pacientes confirmados com a doença ou com suspeita. A preocupação está pelo fato que 15 pessoas confirmadas por Covid-19 estão na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Outros 12 em isolamento hospitalar e 131 isolamento domiciliar. “Estamos com um volume muito grande pelo Covid-19 e ao mesmo tempo outras demandas continuam acontecendo”, salientou em sua participação.

Questionada sobre a Rede de Saúde (Ministério da Saúde, Secretaria Estadual da Saúde e Secretaria Municipal através da Vigilância Epidemiológica) que informa quando do falecimento de um paciente dos protocolos internos salientou que as divulgações obedecem critérios.

Desde o momento em que “acontece a notificação de caso suspeito, até quando vem o resultado informando temos situações que foi a causa principal o Covid-19 e outras que foi o fator contribuinte”, assim respondeu.

Ainda em abril o Ministério Público Federal (MPF) através da Procuradoria da República de Bento Gonçalves, pelo procurador Alexandre Schneider, pediu explicações ao Ministério da Saúde da idoneidade das notificações de mortes por coronavírus e em casos positivos, que fossem informados os meios pelos quais são feitas as checagens.

A Rádio Difusora tenta junto ao Ministério e a própria Procuradoria há mais de um mês respostas mais concretas. Familiares de vítimas que tiveram a causa morte Covid-19 já questionaram divulgações que apontaram a doença como fator que tenha ocasionado o óbito.

 

Fonte: Central de Jornalismo da Difusora