Médica diz que “não tem mais evidência da doença”, sobre câncer de vereador Sperotto

Gustavo Sperotto

Foi no começo de agosto que o vereador de Bento Gonçalves, Gustavo Sperotto (DEM), divulgou nota a população informando ter sido diagnosticado com câncer no sistema linfático e amígdalas, sendo necessária a realização de cirurgias e tratamento. Mas afinal o que é este tipo de câncer?

A médica especialista em oncologia clínica do Hospital Tacchini, que vem acompanhando o tratamento do vereador, Alessandra Kaercher, concedeu entrevista para a Rádio Difusora e falou sobre o assunto.

“O chamado câncer de cabeça e pescoço é mais comum em homens acima de 50 anos, mas tem se tornado frequente em jovens, sem fatores de risco, e até em mulheres. Atualmente representa a sexta causa de câncer no Brasil. Geralmente está associado ao alcoolismo, tabagismo, os mais frequentes. Mas, este grupo de jovens e mulheres tem sido acometidos pelo HPV”, comentou.

Foi exatamente o que ocorreu com o vereador. O HPV é um vírus que atinge a pele e as mucosas, podendo causar verrugas ou lesões percursoras de câncer, como o câncer de colo de útero e de garganta. “Acaba contaminando os tecidos da cavidade oral, ocasionando mutações que vem a desenvolver o câncer. É um inimigo silencioso e normalmente não tem aparecimento de feridas, ardência ou até sinal de inflamação”, acrescentou a médica.

O caso de Sperotto deu-se com um caroço no pescoço, sendo submetido a retirada do nódulo. Em uma investigação mais aprofundada percebeu-se que um tumor surgiu nas amígdalas. Atualmente realiza tratamento complementar e preventivo. “Não tem mais evidência da doença. A cura se comprovará a longo prazo”, definiu.

Cada caso é particular, mas com a autorização do vereador, a especialista conversou com a reportagem. Ao final definiu Gustavo como “um guerreiro, forte, se mostrando com muita vontade de viver. É uma pessoa batalhadora, positiva e vai ficar bem”, encerrou.

Ouça a entrevista:

Fonte: Felipe Machado – Central de Jornalismo da Difusora