Manuela D’Ávila lamenta notícias falsas e define 2° turno como “pedido da população”

Manuela D'Ávila, participa do debate "Mulheres na Política" com as mulheres candidatas a Vice-Presidência da República, promovido Pelo Instituto Locomotiva e El País, no auditório do Ibmec.

A Rádio Difusora além de buscar entrevistas com os candidatos que disputam o cargo de governador neste segundo turno, José Ivo Sartori, concedida nesta terça-feira, dia 16, com duração de 15 minutos, aguarda pela assessoria do candidato Eduardo Leite para o mesmo tempo ser oferecido.

Além disso, a reportagem buscou a possibilidade de entrevistar gaúchos envolvidos na Eleição Presidencial. Pelo lado do candidato Jair Bolsonaro, procuramos o coordenador de campanha deputado federal, Onyx Lorenzoni (DEM). Sua assessoria informou que neste momento não está sendo possível uma entrevista. O tempo oferecido é de dez minutos. A coligação  O Povo Feliz de Novo (PT/PCdoB/PROS), que tem como candidato a presidência Fernando Haddad e como vice Manuela D´Avila atendeu ao chamado da reportagem.

Manuela falou sobre a estratégia neste segundo turno do pleito para ganhar as eleições, mesmo com as pesquisas mostrando ampla vantagem do candidato do PSL, Jair Bolsonaro. Ela destacou que o debate é um pedido da população “quando a população decide ir ao segundo turno ela diz que quer debater mais, que quer esclarecer os projetos, que quer tomar melhor conhecimento dos candidatos e das maneiras que esses candidatos acreditam que será possível sair da grande crise econômica e politica que o país vive”.

Ela ressaltou também o prejuízo causado pelas chamadas fake news, ou, notícias falsas, que circulam e se proliferam através das redes sociais, e voltou a defender o debate entre os candidatos para combater também as fake news “apenas no último domingo, quando nós retiramos 73 perfis de mentira na internet, esses perfis haviam atingido 13 milhões de pessoas no país. Quem devolve a verdade a esses milhões? Então, a oportunidade que nós queremos para devolver a verdade e fazer com que as pessoas decidam baseada nos programas dos candidatos são nos debates eleitorais.”

A deputada fez duras críticas ao adversário do segundo turno dizendo que Bolsonaro é um deputado absolutamente “incompetente”, “não atuante” e “incapaz de ocupar posições e negociar com seus colegas para aprovar um projeto”. Ela  ainda afirmou que o candidato do PSL é contra os direitos dos trabalhadores e do 13º salário.

Manuela ressaltou também que o atual cenário de segundo turno põe em confronto a democracia e o autoritarismo e destaca que mesmo pessoas que se opunham e discordam das últimas gestões do PT passam a apoiar a candidatura PT/PCdoB/PROS, para defender a democracia que segundo ela está ameaçada nesse cenário eleitoral.

Com relação ao papel do vice-presidente, Manuela foi enfática ao dizer que o vice tem de ser o “parceiro” do candidato para “garantir a execução do programa de governo submetido ao voto popular”. Ela lembra também que é parlamentar há 14 anos no RS e pretende “ser alguém que leve o nosso olhar sobre a dificuldade do Rio Grande, sobre a dificuldade da saída da crise fiscal do governo do estado, sobre a dificuldade de retomarmos um conjunto de investimentos em infraestrutura. Então existe um olhar que eu, há tanto tempo defendendo nosso estado, também quero levar a Brasília”. Aponta.

Manuela encerrou a entrevista comentando o cenário de segundo turno no estado, onde José Ivo Sartori e Eduardo Leite disputarão o cargo no Palácio Piratini. Para a deputada o partido está debatendo a situação e na posição de candidata a vice presidência tem a obrigação de preservar o vínculo com qualquer um dos candidatos “o mais adequado, uma vez que o meu candidato está fora do segundo turno, é que eu busque desde já preservar os laços de respeito com os dois candidatos”, finalizou.

A Rádio Difusora segue no aguardo do retorno da assessoria do deputado federal, Onyx Lorenzoni (DEM), coordenador de campanha do candidato do PSL Jair Bolsonaro.

Foto: Agência Brasil