Eventuais pedidos de revisão de óbitos por Covid-19 são avaliados por Comitê no RS

Se existirem questionamentos por parte de Secretarias Municipais de Saúde referentes a causa morte ter sido Covid-19 (*a Rádio Difusora antecipou nesta segunda-feira que Bento Gonçalves já pediu a revisão de dois casos) junto ao Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) do Rio Grande do Sul estes passam a ser analisados por um Comitê criado pelo Governo do Estado. São profissionais infectologistas, intensivistas e outros ligados a área da saúde com atuação em grandes Hospitais que se necessário são acionados. Foi o que informou em entrevista Tani Ranieri, a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica, do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

O Comitê é chamado e com critérios científicos e evidências reavalia e até pode reconfirmar se for necessário, o fato de um paciente ter falecido com o novo coronavírus. Se pressupõe que a descoberta para tal inicie com o RT-PCR, a detecção direta do vírus em secreção respiratória considerada padrão-ouro para diagnóstico de infecção aguda sintomática.

Conforme trouxe a Rádio Difusora em reportagem especial, por outro lado, os médicos baseiam-se no documento denominado “Orientações para o preenchimento da Declaração de Óbito no contexto da Covid-19”, que tem a finalidade de orientar estes profissionais. Nele consta que a Covid-19 deve ser registrada no atestado médico de causa de morte para todos os óbitos que a doença causou, se assume ter causado ou contribuído para a morte.

É “justamente por isto que elaboramos este Comitê. Estamos sendo extremamente criteriosos nesta classificação, sabemos que existe a dificuldade de alguns casos aceitarem determinados óbitos”, comentou Tani.

Segundo Tani, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) busca entender os motivos “dos óbitos para elaborar estratégias mais assertivas de modo a deter a evolução da pandemia”, acrescentou.

A SES está elaborando um protocolo para análise de óbitos com critérios clínicos e laboratoriais, inclusive, já solicitou ao Ministério a inclusão de um itens relacionado a parte clínica no preenchimento dos laudos, o que ainda estaria em análise.

Até esta segunda-feira, 29 de junho, o Estado divulgava em seus boletins de atualizações epidemiológicas o número de 582 falecimentos por Covid-19, com a taxa de letalidade em 2,3%.

Entenda as notificações de óbitos por Covid-19 e por quê ainda existem dúvidas

Fonte: Felipe Machado – Central de Jornalismo da Difusora