Entidades se unem na sede estadual do CPERS/Sindicato em defesa da educação

No fim da tarde desta segunda-feira (24), representantes do Movimento em Defesa da Educação reuniram-se no Salão de Atos Tereza Noronha, na sede estadual do CPERS.

O grupo, composto por sindicatos, associações, pais e mães pela democracia e movimento estudantil, pautou a necessidade de fortalecer o debate em defesa da educação como direito, da democracia, da liberdade de cátedra e também de pensar a educação no processo do desenvolvimento da nação.

A reunião, de cunho organizativo, definiu os eixos principais do processo de construção coletiva de ações, com uma maior multiplicidade de olhares  para construir de forma coletiva o movimento.

A direção estadual do CPERS foi representada pela 1ª vice-presidente do Sindicato, Solange Carvalho, pela diretora do Departamento de Educação, Rosane Zan, pela diretora do Departamento de Cultura, Alda Bastos Souza, pela secretária-geral, Candida Rossetto, pela diretora do Departamento dos(as) Funcionários(as) de Escola, Sonia Solange dos Santos Viana e pelo diretor do Departamento da Juventude, Daniel Damiani.

“Este aspecto de multiplicidade do movimento possibilita uma diversidade muito grande de visões e concepções, que auxiliam na construção coletiva das ações em defesa da educação”, observou Candida.

Durante a abertura do evento, Jaqueline Moll, professora da UFRGS e uma das principais pensadoras da educação integral no Brasil, reforçou a necessidade de união frente aos ataques contra a educação.

“Precisamos de uma discussão ampla em defesa da escola pública e a ameaça contra a liberdade de cátedra. Esse é o papel do movimento, potencializar as agendas que acontecem nas entidades presentes aqui, para inserirmos a sociedade em nossas discussões e singularizar a defesa da educação”, destacou.

Ao longo do encontro foram definidas comissões que vão tratar de alguns eixos considerados importantes e darão andamento nas ações definidas pelo grupo. Entre eles, a organização de um momento de estudo e aprofundamento sobre o financiamento da educação, com o FUNDEB, onde José Marcelino de Rezende Pinto (USP) realizará uma palestra tratando sobre essa questão.

Foi proposta também a realização de um clube de cinema como um espaço que dialogue com a sociedade sobre as questões da educação na atualidade. Outro ponto decidido foi a articulação das agendas das entidades que formam o movimento para atuarem de forma unificada e amplificada.

Candida destacou a construção de um seminário proposto pelo Movimento. Previsto para acontecer em outubro, o evento tem o objetivo de lançar um manifesto que será construído em defesa da educação.

“A intenção é fazer um resgate histórico dos momentos da história do Brasil onde se construiu esse processo de resistência e de articulação de um projeto educacional para a nação. Além, de trazer um pouco da nossa tarefa histórica na defesa da educação, tendo como pano de fundo a defesa da educação pública”, ressaltou Candida.

Outro ponto pautado pelo Movimento e que terá destaque nas ações futuras é a dos fechamentos das escolas públicas. Realizadas primeiramente em âmbito estadual de forma silenciosa, agora já começa a afetar também as escolas municipais de Porto Alegre.

A próxima reunião do Movimento em Defesa da Educação já ficou marcada para o começo de agosto.

Entidades presente:
CPERS
Associação Mães e Pais pela Democracia
ASSERS
CTB
IFRS
Conselho Estadual de Educação
Comitê Nacional em Defesa  da Educação
Café com Paulo Freire
Fórum Municipal das Mulheres
Comitê em Defesa da Democracia
URE
UNE