Denarc realiza incineração de dez toneladas de drogas no RS

Nesta sexta-feira (26), a Polícia Civil, por meio do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc), coordenou a incineração de, aproximadamente, dez toneladas de entorpecentes, entre cocaína, crack e maconha.

A incineração faz parte de uma ação estratégica estruturada por uma força-tarefa composta pela Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul, com a participação da Polícia Rodoviária Federal. A data de sexta foi escolhida por ser o Dia Internacional de Combate às Drogas.

Para o Diretor do Denarc, Delegado Vladimir Urach, o ano de 2020 foi marcado por duas grandes apreensões de entorpecentes. “Em janeiro, foi realizada a maior apreensão de drogas sintéticas da história da Polícia Civil, com a localização de 14,2 comprimidos de ecstasy no bairro Humaitá em Porto Alegre. Já no dia 06 de abril, foi feita a maior apreensão de maconha do ano, uma tonelada e meia da droga foi localizada, durante ações em Porto Alegre e Nova Santa Rita. Na ocasião, também foram presos em flagrante quatro indivíduos”, salientou Urach.

A Chefe de Polícia, Delegada Nadine Tagliari Farias Anflor, lembra que a Polícia Civil, Ministério Público e o Poder Judiciário do Rio Grande Do Sul realizaram diversas reuniões para agilizar o processo de incineração dos entorpecentes apreendidos. “A incineração é o fechamento de diversas outras ações estratégicas do planejamento operacional da Polícia Civil e dos demais órgãos de segurança no do escopo do Programa RS Seguro, da Secretaria de Segurança Pública do Estado”, afirma.

O Vice-governador e Secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, também acompanhou a incineração. “Importante ressaltar neste momento, no Dia Internacional de Combate às Drogas, que o tráfico e o consumo de entorpecentes são impulsionadores da criminalidade. Os crimes patrimoniais, por exemplo, têm em sua grande maioria ligação direta com tráfico. Por isso é importante conscientizar a sociedade de que o comércio de drogas está atrás dos grandes crimes”, alertou Ranolfo.

A Polícia Civil e a Polícia Rodoviária Federal escoltaram os entorpecentes até o local da incineração. Representantes do Poder Judiciário e do Ministério Público acompanharam o processo.