Demandas do setor serão reunidas na Carta Tecnovitis Vale dos Vinhedos 2019

Na tarde desta sexta-feira, dia 8, o fechamento da 3ª edição da Tecnovitis – Feira de Tecnologia para Viticultura culminou com a realização de uma Audiência Pública realizada pela Frente Parlamentar de Defesa e Valorização da Produção Nacional de Uvas, Vinhos, Espumantes e Derivados da Câmara dos Deputados em conjunto com a Frente Parlamentar da Fruticultura e Vitivinicultura do Rio Grande do Sul, com a coordenação dos presidentes deputado federal Afonso Hamm (PP) e deputado estadual Elton Weber (PSB), apoiada pelo Sindicato Rural da Serra Gaúcha (SRSG), através do presidente Elson Schneider. A pauta do encontro foi o Acordo entre o Mercosul e União Européia: Impactos na Cadeia Vitivinícola.

Após pouco mais de duas horas entre manifestações de autoridades e representantes do setor, no complexo de eventos do Villa Michelon, foi definida a criação da Carta Tecnovitis Vale dos Vinhedos 2019. Tratas-se de um documento que integrará as demandas e sugestões do setor oficializando o posicionamento do segmento junto ao Governo Federal, conforme sugeriu a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, na solenidade de abertura da Feira.

O principal ponto é tornar condições iguais para as indústrias e produtores junto aos Países que integram o acordo, oferecendo similar competitividade junto aos mercados. Outros itens como o Fundo Nacional para gerir os recursos do setor, programas de apoio, o Cadastro Nacional Vitícola e sua implantação, estruturação dos laboratórios do Laren, entre outros pontos.

“Estamos construindo de uma forma conjunta em defesa de toda uma cadeia produtiva. A audiência atingiu o seu objetivo e fechou a Tecnovitis com chave de ouro”, comentou Schneider, em entrevista na Rádio Difusora.

O mesmo sentimento foi compartilhado pelo deputado federal Afonso Hamm (PP). “Tivemos importantes contribuições e agora vamos finalizar com um documento trazendo indicativos para entregar ao Ministério da Agricultura”, afirmou.

O próprio Mapa já deu uma importante garantia para proteção de produtos com Indicação Geográfica (IG), como os vinhos.

A Carta representa, para o deputado Elton Weber, a necessidade de formalizar uma legislação conjunta. “Queremos as mesmas regras e subsídios, impostos e condições. Sem as mesmas regras do jogo poderemos ter prejuízos”, alegou.

Em meio a Audiência uma informação importante foi trazida pelo coordenador geral de Apoio à Comercialização da Agricultura Familiar do Mapa, João Antônio Salomão, o preço da uva para safra 2019/2020, conforme antecipou a Rádio Difusora. O valor será de R$ 1,08 para o quilo da variedade isabel.

Participaram do encontro além dos deputados mediadores e do presidente Schneider, o coordenador da Comissão Interestadual da Uva e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Bento Gonçalves com extensão de base em Monte Belo, Pinto Bandeira e Santa Tereza, Cedenir Postal, o presidente da Uvibra (União Brasileira de Vitivinicultura), Deunir Argenta, a superintendente de Relações Internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Lígia Dutra, o chefe geral da Embrapa Uva e Vinho, José Fernando da Silva Protas, a diretora do IFRS Campus Bento Gonçalves, Soeni Bellé, a gerente regional da Emater-RS, Sandra Dalmina, o executivo da Fecovinho, Hélio Marchioro, além dos deputados estaduais que integram a Frente na Assembleia, Fran Somensi (PRB) e Vilmar Lourenço (PSL), bem como produtores, demais representantes de entidades, entre outros.

Fonte: Felipe Machado – Central de Jornalismo da Difusora

Fotos: Marlove Perin (*divulgação Tecnovitis) e Felipe Machado (*foto da mesa com logo da Difusora).