Curva da economia é ascendente, aponta Panorama Socioeconômico, do CIC-BG

Laudir Piccoli (2)

Embora os números da revista Panorama Socioeconômico apresentados pelo Centro da Indústria, Comércio e Serviço de Bento Gonçalves no dia 23 de outubro mostrem que o município acompanhou a retração nacional, a pesquisa que radiografou a economia da cidade também apontou sinais otimistas quando analisados dados de 2017.

Entre janeiro e setembro deste ano, o número de exportações cresceu 14% se comparado com o mesmo período do ano passado. Igualmente, o número de empresas subiu quase 4%, enquanto o de MEI (Micro Empreendedor Individual) saltou 11,3%.

“Apesar do crescimento, que é paulatino, as coisas começam a mudar, agora a nossa curva começa a ser ascendente”, analisou o professor da UCS Fabiano Larentis, um dos responsáveis pelo levantamento.

Esse cenário de tendências foi uma das novidades da 46ª edição da revista, que incluiu dados atuais conforme a disponibilidade em alguns capítulos da revista a fim de apresentar uma noção mais próxima da realidade. Outro sinal alentador mostrado dentro dessa proposta foi o saldo entre admissões e desligamentos. Se nos três primeiros trimestres do ano passado o resultado da equação apontava para quase 900 demitidos, neste ano, em igual período, a soma ficou no azul.

“É de apenas 11, mas é positiva”, disse o professor, destacando a recuperação da indústria – principal força da economia bento-gonçalvense –, que saiu de 447 vagas negativas para 127 positivas.

Em 2017, também, houve aumento na arrecadação do ISS. Entre janeiro e setembro, no comparativo com igual período do ano passado, a arrecadação subiu 9,3% – chegando a 12% se observado o comparativo entre os últimos trimestres.

De maneira geral, os números da revista – com base no ano de 2016 – apontaram que indústria, comércio e serviços tiveram redução real de 7,9%, 5% e 9,5%, respectivamente. Na indústria, por exemplo, percebe-se a perda de participação dos moveleiros (de 44% em 2014 para 36% em 2016) e o aumento das vinícolas (de 14% em 2014 para 18% em 2016) – os setores metal-mecânico e plástico e embalagens se mantiveram nos mesmos patamares, de 19% e 4%, respectivamente, enquanto alimentos foi de 13% para 14%.

Entretanto, no ano passado, Bento Gonçalves exportou US$ 69,2 milhões, saindo do 33º lugar para o 29º lugar no Estado entre os municípios que mais venderam ao Exterior, uma mostra que há espaço para crescer.

A revista também trouxe outros dados relevantes. No turismo, por exemplo, a publicação mostrou que a cidade ocupa a segunda colocação entre as mais ofertadas pelas operadoras no Estado, atrás apenas de Gramado – no ano passado, quase 1,4 milhão de turistas passaram por Bento.

Além disso, a Capital do Vinho ocupa o primeiro lugar entre os municípios com mais de 100 mil habitantes no Índice de Desenvolvimento Socioeconômico no Estado e é, segundo a revista Exame, a 25ª cidade mais indicada para se investir em negócios no país.

Para o presidente do CIC-BG, Laudir Miguel Piccoli, a informação é a melhor forma para a classe empresarial tomar as decisões mais assertivas nessa época que ainda exige cautela em investimentos mas que ensaia perspectivas animadoras. “Acredito em um futuro breve positivo, de retomada e recuperação. A atuação do CIC-BG é pautada pelo compromisso de criar e oferecer ferramentas para seus associados superarem os desafios do mercado, e essa revista, assim como outras ações, cumprem esse papel”, comentou.

Além de Larentis, fizeram parte da equipe responsável pela pesquisa os professores Ana Cristina Fachinelli Bertolini, Cintia Paese Giacomello, Monica Beatriz Mattia e Simone Taffarel Ferreira. Eles foram responsáveis pela coleta e análise dos dados pesquisados com cerca de 15 órgãos, entre eles IBGE, Banco Central, Fundação Economia e Estatística e Ministério do Trabalho.

A 46ª edição da revista Panorama Socioeconômico teve como apoiadores AD Serviços de Portaria; Castini Móveis; CDL-BG; Construtora Poletto; DWR Som e Luz; Fundaparque; Giordani Turismo; Gráfica Bento; Grupo RSCOM; Hospital Tacchini; Jornal Semanário; Limpacto; LL Rótulos e Etiquetas; Mercado Grepar; Mérica Transportes e Logística; Monsta Tecnologia; Movergs; Observatório Social; Open Soluções Contábeis; Prefeitura de Bento Gonçalves; Primazia Alimentos; Real Assessoria; Restaurante Dalla Costa; Segh Uva e Vinho; Sicredi; SIMMME; Simplavi; Sindmóveis; Smartel Inteligência em Telecomunicação; Sulgás; Supermercado Apolo; Tatum; Todeschini; UCS; Vinhos Don Laurindo e Vinícola Aurora.

Outros dados

• A participação da indústria, comércio e serviços permaneceram em patamares semelhantes a 2015: 62%, 22% e 16%

• O volume de empregos, de forma geral, caiu 3,6% no ano passado, o que representou 1,6 mil a menos em termos absolutos, com contribuição principalmente da indústria e construção civil

• O município ocupa no Estado a 5ª posição quanto ao número de empresas exportadoras (91) e a 6ª posição quanto ao número de empresas importadores

• O número de estabelecimentos apresentou uma queda de 2,4%, passando de 14.928 para 14.573. Pessoas Jurídicas passaram de 10.752 para 10.351 (-3,7%) e MEIs de 4.176 para 4.222 (+1,1%)

• O PIB per capita de Bento Gonçalves (R$ 47,4 mil) é o 4º dentre os municípios com mais de 100 mil habitantes

• O município apresenta o 8º maior volume de depósitos bancários à vista, o 8º maior volume de operações de crédito e o 6º maior volume de poupança dentre os municípios gaúchos (R$ 1,15 bilhão)

• O Índice de Desenvolvimento Socioeconômico– IDESE/FEE-RS (2014 – dado mais recente) ocupa a 10ª colocação no RS e a 1ª dentre os municípios com mais de 100 mil hab.

Fonte e fotos: Exata Comunicação