Cultura negra e desigualdade racial são temas de evento sobre os 130 anos da abolição da escravatura em Bento

IMG_2495

Com o tema “130 Anos da Abolição da Escravatura”, a programação, realizada pela Secretaria da Cultura e pelo Movimento Negro Raízes, abordou a cultura negra e a desigualdade racial no país, no último dia 11, na Sala Pública de Cinema da Fundação Casa das Artes.

Para o secretário da Cultura e presidente da Fundação Casa das Artes, Evandro Soares, o evento traz assuntos latentes, não apenas em nosso município. “Precisamos debater permanente para que assim possamos crescer como cidadãos respeitando todas as culturas”, afirmou.

O co-coordenador do Movimento Negro Raízes, Marcus Flávio Dutra Ribeiro, ressalta que para o Movimento Negro Raízes, a realização deste Encontro para reflexão, foi singular por ter sido o primeiro nesta modalidade e com esta temática alusiva a Abolição. “Não se tem notícia de um encontro nesta modalidade em nosso município. O assunto é complexo e exige uma abordagem dinâmica”, frisou.

Presente no evento e representando o Poder Legislativo de Caxias do Sul, o vereador Edson da Rosa, destacou que “a mudança ocorre pela educação e é por meio dela que podemos quebrar preconceitos, paradigmas, pois é preciso formar pessoas de bem, com conhecimento que avance em todas as áreas sociais, nos preocupando com aquilo que nos une”.

O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Cultura Afro, vereador Eduardo Viríssimo, pontou que a Frente Parlamentar foi criada com o intuito de defender assuntos de preconceito racial. “Por mais que tenhamos acesso às informações e conhecimentos, é preciso estar sempre alerta às manifestações de preconceito, pois é preciso legar para as novas gerações um mundo mais tolerante e igualitário”.

O presidente da Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves, Moisés Scussel, em seu pronunciamento, destacou: “Conscientização. Por meio desta palavra, o Movimento Negro Raízes promove ações e atividades didáticas que projetam sentimentos que lutam pelo bem-estar social. Dessa forma, a entidade contribui para que o ser humano tenha atitudes e comportamentos mais compreensivos.”

Após o cerimonial, o Povo de Terreiro de Bento Gonçalves fez uma apresentação do hino da Umbanda e uma homenagem ao padroeiro da cidade de Bento Gonçalves, Santo Antônio. Também integrou a programação apresentações do grupo de capoeira Abadá, solo de dança afro por Daniel Correa, recital de poesia com percussão pela oficina de Sucata Sonora – Dança e roda de samba pelo grupo C’du Samba.

O evento teve a participação de alunos da Escola Municipal Professora Maria Borges Frota e do Instituto Estadual de Educação Cecília Meireles, e teve o apoio da Fundação Casa das Artes e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI).

Sobre o Movimento Negro Raízes

O Movimento foi fundado em janeiro de 2018, mas desenvolve ações sociais, como palestras e oficinas para alunos e público em geral, desde o final do ano passado. Tem o intuito de pensar sobre temas como racismo, preconceito, intolerância religiosa, e também enaltecer a Cultura Negra e a representatividade da raça na sociedade local e regional.

Destaca-se como exemplo destas ações, palestras e atividades didáticas sobre ‘Racismo na Escola’ e ‘Cultura Afro’, ministradas por um das coordenadoras do Movimento, a professora e pedagoga Solana Corrêa.

O Movimento Negro Raízes é coordenado por Silvio dos Santos, Sílvia dos Santos, Solana Côrrea, Marcus Flavio Dutra Riberio, Armelinda Gonçalves e Oscar Gonçalves. A entidade possui página no Facebook: Movimento Negro Raízes.

Para mais informações entre em contato pelo e-mail: [email protected] ou pelo Whatsapp para contatos: (54) 99107-2128 com Marcus, ou (54) 99629-1711 com Silvio, ou ainda pelo (54) 99125-4971 com Oscar.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Fotos: Jose Martim Estefanon