Crise do coronavírus derruba confiança do industrial gaúcho

Os potenciais impactos da crise provocada pelo coronavírus na economia abalaram o otimismo dos empresários gaúchos. É o que aponta Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado nesta quinta-feira (19) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS). O ICEI-RS atingiu 61 pontos em março, recuo de 5,9 pontos ante fevereiro, a maior queda desde junho de 2018 (-6,2).

“O resultado interrompe uma tendência positiva iniciada no segundo semestre de 2019. O choque, de intensidade e duração desconhecidas, gera muita incerteza e coloca um forte viés de baixa para o crescimento da atividade industrial no Estado nos próximos meses”, diz o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

Apesar da queda, o índice manteve-se acima dos 50 pontos e de sua média histórica, o que denota um nível de confiança ainda elevado entre os empresários. Embora todos os componentes do ICEI-RS tenham caído, permaneceram superiores a 50, em patamares elevados. O Índice de Condições Atuais baixou de 60,2, em fevereiro, para 55,9 pontos, em março.

No que se refere à economia brasileira, o índice caiu de 62,8 para 55,4 pontos entre esses meses. Nesse período, a parcela de empresário que avaliam a economia brasileira como melhor diminuiu de 56,3% para 37,6%, subindo o percentual dos que percebem piora de 4,9% para 16,1%. As condições das empresas continuaram melhorando, mas o índice também caiu ante fevereiro: de 58,8 para 56,1 pontos.

FUTURO – Em relação às perspectivas futuras, o otimismo continua alto, em março, entre as empresas que responderam a pesquisa, com o indicador em 63,6 pontos. Na comparação com fevereiro, porém, quando foi de 70,3 pontos, houve queda significativa. A maior influência negativa decorre das expectativas para a economia brasileira, componente que marcou 61,2 pontos em março, uma redução de 8,3 pontos frente ao mês anterior. Entre as empresas, 52,5% esperam melhora da economia brasileira em março (eram 76% em fevereiro), e 7,8%, piora (eram 0,5% em fevereiro).

Da mesma forma, as expectativas com as próprias empresas ficaram menos positivas em março em relação às de fevereiro: o índice caiu de 70,6 para 64,8 pontos. A pesquisa foi realizada com 205 empresas, sendo 44 pequenas, 63 médias e 98 grandes, entre 2 e 11 de março. Acompanhe o resultado completo, bem como a série histórica e a metodologia em www.fiergs.org.br/numeros-da-industria/indice-de-confianca-do-empresario-industrial.

Fonte: FIERGS