Contratação de 23 médicos para Bento deve ser discutida na noite desta segunda

ebc

Mais um projeto da área da saúde está na pauta da sessão da Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves. O executivo quer a contratação temporária e emergencial de 23 médicos.  O período de atuação é de dez meses, renováveis por igual período, caso seja necessário, com os profissionais sendo destinados para Estratégias Saúde da Família (ESFs) do município.

Um dos motivos desta solicitação é o fato de não haver mais concursados para serem chamados. Além disso, o executivo pretende diminuir os custos com os terceirizados. Uma dessas médicas deve passar a atuar no bairro Conceição a partir da metade desta semana. Além disso, a intenção é fazer com que ocorra destinação para o interior do município, onde uma profissional passou a trabalhar em diferentes turnos, dividindo as horas entre as localidades da área rural desde a semana passada. No bairro Municipal, recentemente, uma profissional foi contratada depois de, conforme moradores, a comunidade estar há cerca de um mês sem médico.

As iniciativas integram uma reestruturação na área da saúde, conforme o secretário da pasta, Diogo Siqueira. A intenção é buscar uma maior estabilidade. Tornar os salários mais atrativos é elencada como uma necessidade para suprir a falta de mão de obra, conforme o gestor.

‘Praticamente todos os municípios estão tendo essa dificuldade. Ao mesmo tempo, a gente tem que criar esse atrativo. O que estamos fazendo, agora, é chamar médicos, acertando um valor de bonificação para eles, para que a gente possa deixar esse médico, principalmente, nas comunidades, afirma o secretário.

A bonificação a qual o Siqueira se refere é um projeto de lei aprovado na Câmara de Vereadores na segunda-feira passada que fixa um valor adicional para atrair profissionais desta área, como também, por exemplo, para a enfermagem e a odontologia. O município de Bento Gonçalves conta com 11 ESFs. As propostas encaminhadas ao Legislativo previam, no caso dos médicos clínicos-gerais, a gratificação de em torno de R$ 6 mil, e R$ de 6,5 mil para médicos da saúde da família. Já para o enfermeiro e o dentista a gratificação prevista varia entre R$ 900 e R$ 1,2 mil.

Além de buscar a contratação de 23 médicos, consta na pauta também outro projeto de autoria do Executivo que tem o objetivo da criação de 57 cargos da área da saúde. O pedido tem como objetivo  fazer com que  terceirizados sejam substituídos por concursados. Em determinadas áreas, deve haver o chamamento de aprovados no concurso de 2016 e, para outras, a expectativa é que seja elaborado um processo seletivo.

Foto EBC