Com contribuição da UCS, projeto de limpeza dos oceanos faz primeiro teste no Pacífico

oceano

The Ocean Cleanup lançou uma barreira flutuante para retirar os resíduos poliméricos dos oceanos. Pesquisadores da Universidade trabalharam em estudos de caracterização, degradação e reciclagem dos materiais coletados.

The Ocean Cleanup, organização holandesa sem fins lucrativos que desenvolve tecnologias avançadas para remover dos oceanos resíduos poliméricos, os conhecidos plásticos, lançou no último sábado, dia 8 de setembro, o primeiro sistema de limpeza oceânica do mundo na baía de São Francisco. O sistema 001 consiste em uma barreira flutuante em forma de “U” de 600 metros de comprimento que fará uma espécie de varredura no mar.

A UCS destaca-se como a única Instituição do Brasil a fazer parte do projeto. E a contribuição para a iniciativa mundial partiu do Laboratório de Polímeros, onde foram realizadas análises dos resíduos poliméricos retirados dos oceanos, com a finalidade de identificar o nível de degradação e o potencial de reciclagem desses materiais. Os pesquisadores e professores Rosmary Nichele Brandalise e Diego Piazza, e o mestrando Kauê Pelegrini, do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos e Tecnologias, desenvolveram estudos sobre caracterização e reciclagem dos resíduos poliméricos coletados nos oceanos. O grupo apresentou também a metodologia de reciclagem mecânica desses plásticos, propondo possíveis aplicações para os materiais.

De acordo com a The Ocean Cleanup, os primeiros resíduos serão coletados dentro de seis meses após a implantação do flutuador. Isto marcará a primeira vez que o plástico flutuante livre terá sido coletado com sucesso no mar. Depois da coleta, planeja-se reciclar o material em produtos e usar os recursos para ajudar a financiar as operações de limpeza.

O flutuador no Pacífico
O sistema de limpeza, chamado de System 001, ficará distante cerca de 450 quilômetros da costa terrestre para um teste de duas semanas. Depois, deve continuar sua jornada em direção à Grande Porção de Lixo do Pacífico, a cerca de 2200 quilômetros do continente, para iniciar a limpeza dessa área, localizada no Oceano, entre a Califórnia e Havaí, e reconhecida pelo acúmulo de resíduos poliméricos.

A região do Pacífico é conhecida como a maior “ilha de plásticos” do mundo. Situada no meio do caminho entre o Havaí e a Califórnia, a área agrega cerca de 1,8 trilhão de peças poliméricas e cobre uma área duas vezes maior que o Texas.

O sistema é projetado para ser impulsionado pelo vento e pelas ondas, permitindo que capture passivamente e concentre os detritos na frente dele. Devido à sua forma, os detritos serão canalizados para o centro do sistema. Movendo-se ligeiramente mais rápido que os resíduos, o sistema agirá como um Pac-Man gigante, roçando a superfície do oceano.

Uma vez bem-sucedida a fase de teste, o projeto The Ocean Cleanup pretende expandir a atuação e alcançar o lançamento de 60 sistemas focados na região da Grande Porção de Lixo do Pacífico, nos próximos dois anos. A estimativa é de que metade do polímero dessa área possa ser retirada dentro de cinco anos. Isso está de acordo com o objetivo final da The Ocean Cleanup: reduzir a quantidade de polímeros nos oceanos do mundo em pelo menos 90% até 2040.

Foto: Projeto The Ocean Cleanup

Fonte: UCS