Bento Gonçalves registra alto índice de obesidade infantil

O aumento dos índices de excesso de peso é uma realidade de praticamente todos os países ocidentais, em todas as faixas de idade e em ambos os sexos. De acordo com os dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) e do Programa de Saúde na Escola (PSE) de 2016, Bento Gonçalves registra que 6% das crianças de educação infantil encontram-se com o peso elevado para a idade. Enquanto que 37% dos estudantes do ensino fundamental estão com excesso de peso, destes 21% já na faixa de obesidade.

Buscando orientar as famílias desde cedo a respeito da importância da alimentação saudável, a Secretaria Municipal de Saúde realiza o acompanhamento nutricional de gestantes ou até mesmo de casais que procuram o atendimento.

Além disso, por meio do Programa de Saúde na escola, alunos de 21 escolas municipais e estaduais realizam anualmente avaliação de peso além de outras avaliações de saúde. “Aqueles identificados com excesso de peso são orientados a buscar a unidade mais próxima para acompanhamento com nutricionista, e outros profissionais da rede de saúde quando necessário”, explica a nutricionista e coordenadora da Saúde da Criança e do Adolescente da Secretaria Municipal de Saúde, Érica Fiorin.

Ainda conforme a nutricionista, “é importante a introdução da alimentação complementar adequada e em tempo oportuno, para formação de hábitos alimentares saudáveis e prevenção da obesidade e de doenças como diabetes e hipertensão. Afinal, a alimentação da família é determinante para a formação dos hábitos alimentares da criança”, aponta.

Para embasar as orientações, são utilizados os 10 passos para alimentação saudável para menores de dois anos, elaborado pelo Ministério da Saúde e disponível na caderneta de vacinas da criança.

Os dados do Sisvan sobre o consumo alimentar de crianças menores de dois anos do município mostraram um alto consumo de alimentos ultraprocessados, como por exemplo, refrigerantes, sucos artificiais, biscoitos recheados e macarrão instantâneo.

A maioria das Unidades de Saúde, bem como o Centro de Referência Materno Infantil contam com nutricionista para orientar os pais sobre os alimentos que devem ser oferecidos a partir do 6º mês de vida, e também sobre quais os alimentos que devem ser evitados.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social