Bento contabiliza 1,4 mil demissões em abril, diz Carta Mensal do Mercado de Trabalho

O Observatório do Trabalho da Universidade de Caxias do Sul divulga a Carta Mensal do Mercado de Trabalho Formal de janeiro, fevereiro, março e abril de 2020, para o Brasil, Rio Grande do Sul e os municípios de abrangência da UCS: Bento Gonçalves, Canela, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Guaporé, Nova Prata, São Sebastião do Caí, Torres, Vacaria e Veranópolis.

Os dados da Carta são extraídos da base de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia (ME).

EVOLUÇÃO DO EMPREGO NO BRASIL

Em 2019, de Janeiro a Abril, o Brasil teve criação de 334,9 mil empregos formais, porém no mesmo
período de 2020 houve 763,2 mil empregos encerrados. No ano vigente, a retração dos postos formais de
trabalho foi influenciada pelo mês de Abril, que teve 860,5 mil demissões, este resultado decorreu de 598,6 mil admissões e de 1,5 milhões desligamentos.

Entre as atividades econômicas, que está disponível para análise apenas para o Brasil, nenhuma obteve saldo positivo, o maior saldo negativo ficou por conta dos Serviços e do Comércio, com 362,4 mil e 230,2 mil empregos com carteira assinada encerrados, respectivamente. O estoque de empregos formais até Abril foi de 38 milhões de vínculos.

No acumulado de 2020, somando os saldos de Janeiro até Abril, houve 763,2 mil desligamentos, sendo que os principais responsáveis por esse resultado foram o Comércio e os Serviços, com 342,7 mil e 280,7 mil empregos encerrados. No período analisado apenas a Agropecuária teve performance positiva, com 10 mil vagas criadas.

EVOLUÇÃO DO EMPREGO NO RIO GRANDE DO SUL

Primeiramente, observa-se que os meses de Janeiro e Fevereiro de 2020 tiveram resultados alinhados
com 2019, com cerca de 13 mil e 23 mil vagas criadas, respectivamente. Entretanto, a partir de Março esse alinhamento dos saldos muda, principalmente em Abril, na qual a diferença entre 2020 e 2019 foi na ordem de 71,9 mil vínculos encerrados.

Para o estado gaúcho, o mês de Abril teve o pior resultado de toda a série histórica, com 74,7 mil desligamentos. No acumulado do ano, o Rio Grande do Sul encerrou 53,1 mil empregos formais, contra 37 mil vínculos criados no mesmo período no ano passado. O estoque de empregos formais até Abril foi de 2,5 milhões.

O resultado negativo no acumulado do ano de 53,1 mil empregos encerrados, foi impactado majoritariamente pelos setores do Comércio e dos Serviços, com 24,9 mil e 20 mil vínculos formais encerrados. Por outro lado, o setor da Agropecuária foi o único setor que apresentou saldo positivo do período analisado, com 1,5 mil vagas criadas.

EVOLUÇÃO DO EMPREGO EM BENTO GONÇALVES

Primeiramente, observa-se um movimento curioso entre os anos, em Janeiro e Fevereiro de 2020
houve saldo positivo, mas em 2019 resultado negativo. Nos meses de Março e Abril houve retração em
2020 e aumento em 2019. Entre os meses analisados, em 2020, o maior saldo positivo foi em Janeiro, com 655 vagas criadas, e o maior saldo negativo foi em Abril, com 1,4 mil demissões.

O resultado deste ano de Abril representou o maior mês com resultado negativo de toda a série histórica. Com o mês de Abril, o município contou com 39,2 mil empregos com carteira assinada, o menor número de empregos desde 2010, segundo os dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais).

No acumulado do ano houve 477 demissões em Bento Gonçalves, esse resultado foi influenciado
predominantemente pelos Serviços, que teve 276 empregos encerrados, e pela Indústria, que obteve
136 vínculos de carteira assinada fechados. No período analisado os setores que mais tiveram saldo
positivo foi a Construção e Agropecuária, com 21 vagas criadas.

EVOLUÇÃO DO EMPREGO NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ABRANGÊNCIA DA UCS

Clique AQUI  e confira os dados completos.

Central de Jornalismo da Rádio Difusora com informações da Carta Mensal

Foto: Ilustrativa