Assembleia Geral aprova greve da Polícia Civil a partir de segunda-feira

fe70d817-b08c-47e5-9af7-70bb1873f2d9

Em Assembleia Geral realizada nesta quarta-feira, dia 1º, o Ugeirm/Sindicato (Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Policia do Rio Grande do Sul) aprovou a deflagração da greve da categoria a partir da segunda-feira, dia 6. O motivo principal o parcelamento dos salários da categoria.

Os servidores com rendimento líquido de até R$ 2 mil, o que contempla 47% do funcionalismo, receberam os vencimentos dia 31 de outubro. A Secretaria da Fazenda prevê o pagamento integral de quem ganha até R$ 5 mil líquidos até o dia 10 de novembro, o que contemplará 84% do funcionalismo. A quitação integral para todos servidores está prevista para ocorrer no máximo no dia 14 de novembro.

A greve só será suspensa quando da integralização dos salários e a partir da paralisação somente casos de urgência e emergência serão atendidos. A determinação é que não haja circulação de viaturas, de modo que todas devam permanecer no órgão que pertencem enquanto durar o movimento grevista.

Não haverá cumprimento de MBAs, mandados de prisão, operações e ações policiais, serviço cartório, entrega de intimações, oitivas, remessas de Inquéritos Policiais ao Poder Judiciário e demais procedimentos de polícia judiciária;

As DPPAs e Plantões somente atenderão os flagrantes e casos de maior gravidade, tais como: latrocínios, homicídios, estupros, ocorrências envolvendo crianças, adolescentes e idosos e Lei Maria da Penha. Deverão ser efetuados também o registro de furtos de veículos. Além daquelas ocorrências em que o Comando de Greve ou o plantonista julgar imprescindível a intervenção imediata da Polícia Civil;

 

Fonte: Central de Jornalismo da Difusora com informações do Ugeirm/Sindicato