Após temporal, Emater estima perdas de 12% na viticultura em Bento

uva

Ainda estão sendo contabilizados os prejuízos do temporal da madrugada do dia 31 de outubro em municípios da Serra Gaúcha, especialmente com a presença do granizo que ocasionou diversas perdas na agricultura. Conforme levantamento do escritório da Emater/Ascar de Bento Gonçalves, estimam-se perdas de até 12% na viticultura. Ou seja, em torno de 12 milhões de quilos, de um total estimado de mais de 100 milhões.

Os locais mais afetados em Bento, foram o distrito de Tuiuty, na comunidade de São Valentim, o distrito de Faria Lemos, Vale Aurora, Linha Buratti.

O chefe do escritório da Emater de Bento Gonçalves, Thompsson Didoné, salientou que “tivemos casos em que as famílias tiveram perdas de até 90% ou até mais da produção, e o que é pior, deste ano e que irá se refletir na produção do ano que vem”, afirmou.

Além disso, as perdas podem ser ainda maiores em virtude de que muitos vinhedos tem de livrarem-se de doenças, como o míldio, por exemplo.

O pesquisador da Embrapa Uva e Vinho, Henrique Pessoa dos Santos, elaborou um artigo que retrata os danos na agricultura. “É importante destacar que, embora esses danos possam ser extremos e com perdas totais de produção em algumas áreas, as plantas de videira conseguem se recuperar. Contudo, se nenhuma intervenção de manejo for feita neste momento nas áreas afetadas a produção do próximo ciclo poderá também ser impactada, gerando perdas para dois ciclos”, destaca em um dos trechos.

Na Serra, 12 municípios foram afetados

O balanço do escritório regional da Emater/Ascar de Caxias do Sul, divulgado no começo deste mês aponta para 12 cidades afetadas. Sete das principais espécies frutíferas e olerícolas (alho, cebola, ameixeira, caquizeiro, pessegueiro, macieira e parreira) foram atingidas, especialmente os parreirais e pessegueirais. Conforme levantamento, aproximadamente 17 mil hectares terão um volume de perdas de 250 mil toneladas e um prejuízo financeiro direto para os agricultores que deverá chegar a R$ 345 milhões.

Na região, 1/3 dos parreirais, que estavam em fase de florescimento – que é mais crítica e sensível, foi atingido pelo temporal. Com isso, a safra esperada para 2018/2019, em torno de 790 milhões de quilos, deverá apresentar uma redução de 25%. Além disso, 50% da área de pessegueiros da região, cujas variedades precoces estavam em início de colheita e as demais em crescimento de frutos, terão perdas de 40% na produção, ou seja, serão 19 mil toneladas a menos da fruta.

Os municípios que registram prejuízos são Monte Belo do Sul, Antônio Prado, Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Farroupilha, Pinto Bandeira, Monte Alegre dos Campos, Nova Roma do Sul, Flores da Cunha, São Marcos, Nova Pádua e Campestre da Serra.

 

Fonte: Central de Jornalismo da Difusora com informações da Emater/Ascar e Embrapa Uva e Vinho