Apenas 63% se vacinaram contra gripe em todo o país

Faltam duas semanas para 21,8 milhões de pessoas se vacinarem contra a gripe. A vacina está disponível até o dia 31 de maio nos postos de todo o país

A duas semanas do fim da campanha, apenas 63,4% do público-alvo se vacinou contra a gripe em todo o país, um total de 37,7 milhões de pessoas. Ainda restam 21,8 milhões de pessoas que precisam procurar a unidade de saúde mais próxima para se protegerem contra os tipos graves do vírus da influenza (A H1N1; A H3N2 e influenza B). A Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza, que teve início no dia 10 de abril, continua até o fim da próxima semana, no dia 31 de maio.

“A vacina está disponível de graça nas unidades de saúde de todo o país. Para diminuir a circulação do vírus no país é preciso que todas as pessoas que fazem parte do público prioritário da campanha se vacinem. A vacina é a forma mais eficaz de evitar a doença”, afirmou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Entre a população prioritária, as puérperas registraram a maior cobertura vacinal, com 288,6 mil doses aplicadas, o que representa 81,9% deste público, seguido pelos idosos (72,2%), funcionários do sistema prisional (71,3%), indígenas (70,7%) e professores (65,7%). Os grupos que menos se vacinaram foram os profissionais das forças de segurança e salvamento (24%), população privada de liberdade (32,2%), pessoas com comorbidades (54%), trabalhadores de saúde (60,9%), crianças (61,5%) e gestantes (63,2%).

Os estados com maior cobertura até o momento são: Amazonas (93,6%), Amapá (85,5%), Espírito Santo (75,3%), Alagoas (73,4%), Rondônia (72,6%) e Pernambuco (72,2%). Já os estados com menor cobertura são: Rio de Janeiro (45,8%) Acre (49,7%), São Paulo (57,0%), Roraima (57,4%) e Pará (59,2%). Em todo o país, a campanha permanece com uma estrutura formada por cerca de 41,8 mil postos de vacinação e com a participação de aproximadamente 196,5 mil pessoas.

Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis, que inclui pessoas com deficiências específicas, devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

A escolha do público prioritário no Brasil segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

A vacina produzida para 2019 teve mudança em duas das três cepas que a compõem, e protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com informações da OMS: A/Michigan/45/2015 (H1N1) pdm09; A/Switzerland/8060/2017 (H3N2); B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87). A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações e casos graves trazidos pela doença.

CASOS DE GRIPE NO BRASIL

Neste ano, até 11 de maio, foram registrados 807 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por influenza em todo o país, com 144 mortes. Até o momento, o subtipo predominante no país é o vírus influenza A (H1N1) pdm09, com registro de 407 casos e 86 óbitos

A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza teve início no dia 10 de abril em todo o país. No primeiro momento, foram priorizadas as crianças e gestantes. A vacinação está aberta para todos os públicos desde o dia 22 de abril e encerra no dia 31 de maio.

TRATAMENTO DA GRIPE

Todos os estados estão abastecidos com o fosfato de oseltamivir e devem disponibilizá-lo de forma estratégica em suas unidades de saúde. Para o atendimento do ano de 2019, o Ministério da Saúde já enviou aproximadamente 9,5 milhões de unidades do medicamento aos estados. O tratamento deve ser realizado, preferencialmente, nas primeiras 48h após o início dos sintomas.

Tabela de cobertura vacinal de gripe por UF – Dados até 20 de abril

Estado População Dose aplicada Cobertura
Rondônia 430.942 312.843 72,60
Acre 242.134 120.440 49,74
Amazonas 1.134.938 1.063.110 93,67
Roraima 193.706 111.193 57,40
Pará 2.095.999 1.241.093 59,21
Amapá 203.313 173.936 85,55
Tocantins 423.089 284.582 67,26
Maranhão 1.877.403 1.275.198 67,92
Piauí 905.543 584.015 64,49
Ceará 2.563.445 1.730.393 67,50
Rio Grande do Norte 993.277 685.322 69,00
Paraíba 1.185.997 8013.549 67,75
Pernambuco 2.644.685 1.910.230 72,23
Alagoas 876.935 644.243 73,47
Sergipe 567.774 378.923 66,74
Bahia 4.101.775 2.429.259 59,14
Minas Gerais 6.077.516 4.338.742 71,39
Espirito Santo 1.053.545 793.783 75,34
Rio de Janeiro 4.902.445 2.245.799 45,81
São Paulo 13.477.738 7.684.608 57,02
Paraná 3.352.193 2.240.517 66,84
Santa Catarina 1.987.390 1.197.222 60,24
Rio Grande do Sul 3.829.699 2.512.368 65,60
Mato Grosso do Sul 801.907 530.569 66,16
Mato Grosso 859.343 566.785 65,96
Goiás 1.862.979 1.308.206 70,22
Distrito Federal 817.939 528.595 64,63
Total BRASIL 59.463.649 37.6958.523 63,39

 

 

Público alvo População Vacinas aplicadas Cobertura 2019
Crianças 15.515.474 9.540.235 61,48
Trabalhador de Saúde 5.034.064 3.065.478 60,89
Gestantes 2.143.981 1.355.250 63,21
Puérperas 352.321 288.626 81,91
Indígenas 696.151 492.140 70,69
Idosos 20.889.849 15.075.161 72,16
Professores – Ensino Básico e Superior 2.344.373 1.540.605 65,70
Comorbidades 10.766.989 5.809.472 53,95
População Privada de Liberdade 756.589 244.028 32,25
Funcionários do Sistema Prisional 113.362 80.847 71,32
Policiais Civis, Militares, Bombeiros e membros ativos das Forças Armadas 850.496 203.722 23,95
Total 59.463.649 37,695.523 63,39

Fonte: Ministério da Saúde