Afinal, por que falta água em Bento Gonçalves?

CORSAN

Certa vez um ex-dirigente da Companhia Riograndense de Saneamento revelou à Rádio Difusora: “Bento Gonçalves é a cidade mais difícil do Rio Grande do Sul para a Corsan”. São dois os principais motivos para esta afirmação: a geografia acidentada do município e as variações de pressão, que decorrem especialmente de rompimentos pontuais nas redes.

Em 2018, um Centro de Controle Operacional passou a operar na cidade, trazendo avanços e diminuição dos problemas. Contudo, eles ainda continuam e ainda há moradores que reclamam da falta de abastecimento.

O gerente da unidade da Corsan, Marciano Dal Pizzol, lembra que “na parte mais alta de um bairro para que chegue água é necessária mais pressão, senão não ocorre o abastecimento”, disse.

Além deste novo Centro, a Companhia ainda tem um desafio: a substituição de redes d´água, algumas ainda dos anos 60 espalhadas por Bento Gonçalves. Porque são nas partes mais antigas os locais de mais rompimento de abastecimento. “Aí temos que fechar a rede, trancar o abastecimento para concerto, quando acontecem estes problemas”, reforçou ainda o gerente.

Corsan3Dois exemplos disso é um recalque localizado no bairro São Roque, que abastece este e bairros das imediações, além de uma rede próxima da rodoviária, estruturas prioritárias para ajustes em 2019.

Ele salientou que “os rompimentos não são, na grande maioria, oriundos de má qualidade ou idade das redes, mas também da geografia acidentada da cidade, onde as variações de pressão são bastante significativas”, pontuou.

A Corsan, segundo Marciano, tem Bento como uma das 40 cidades para melhoramento de distribuição, captação, com tecnologia e controle de pressões, visando a diminuição de perdas.

Outra dificuldade é saber onde acontecem os vazamentos na cidade. Na grande maioria das vezes, moradores evitam o contato no telefone 0800 646 6444 (telefone para urgências e emergências) e ligam para a imprensa, como a Rádio Difusora. O fone fixo da Companhia não atende mais o público, desde a nova Legislação de Call Centers. Somente pessoalmente as pessoas podem ser atendidas na empresa.

“Em algumas situações, que acabam por chegar aos meios de comunicação, são extremas. Por um motivo ou outro, a falta de água ou o rompimento não chega na velocidade que deveria chegar. Por vezes também por falta de servidores para realizar a demanda”, elencou.

Moradores também podem comunicar a falta de água através do site da Companhia.

Equipe reduzida

Para se ter uma ideia a Corsan tem uma equipe de apenas sete servidores para a manutenção de toda a cidade. Devido a demanda (uma média de 3 a 5 chamados por dia – 100 a 150 por mês), às vezes um local tem que esperar mais do que deveria para o reparo ser efetuado.

“O ideal seria termos o dobro da equipe”, confidenciou Dal Pizzol.

Interior

A Corsan possui hoje um contrato de programa que não abrange áreas rurais, mas através de uma parceria com a Prefeitura, 20 quilômetros de redes já estão no interior atendendo mais de 100 famílias. Uma nova rede deverá ser encampada em 2019 para novos locais como Passo Velho e São Miguel.

Contrato com a Prefeitura

eteEm março de 2010, a Prefeitura de Bento Gonçalves renovou o contrato com a Companhia por 25 anos.

Uma das cláusulas do novo contrato determinava a responsabilidade da Corsan pela implantação do sistema de tratamento de esgoto no município.

Para isso, uma ETE – Estação de Tratamento de Esgoto – está sendo erguida no Barracão com um investimento de R$ 9,2 milhões. A estimativa é atingir pelo menos um terço da população em um primeiro momento.

Já está em fase de encaminhamento uma segunda Estação, junto ao Arroio Buratti, para atender o restante da população urbana.

Reclamações

Apesar de todo o desafio da Companhia operar no município e de um contrato em andamento, aqueles moradores que sofrem com falta de água mais seguidamente são os mais indignados. Se por ventura alguém queira fazer uma reivindicação do serviço, mesmo após contatar a Corsan, existem alguns caminhos.

O primeiro deles é contatar a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do RS (Agergs), que fiscaliza este tipo de contrato através de convênios com Prefeituras.

O contato é 0800 979 0066 – ou através do email [email protected].

Outra opção é o Procon da cidade. De acordo com informações apuradas pela reportagem foram sete reclamatórias no órgão em 2018, sendo apenas uma por falta de abastecimento. O restante por cobranças de taxas ou ligações indevidas.

A Promotoria de Justiça de Bento Gonçalves, o Ministério Público, não registrou nenhuma reclamação coletiva contra a Corsan em 2018. Atualmente tramita na Casa um inquérito que faz averiguações na qualidade da água.

Recomendações da Corsan

A Corsan recomenda o uso racional da água, já que se trata de um bem finito que deve ser aproveitado adequadamente. Além disso, os moradores devem buscar a instalação de caixas d´água em suas residências, os chamados reservatórios próprios. Em caso de falta de abastecimento, pode ser uma solução temporária.

Fonte: Central de Jornalismo da Rádio Difusora – Felipe Machado